sicnot

Perfil

Economia

DBRS mantém rating de Portugal acima de lixo e perspetiva estável

ÚLTIMA HORA

A agência de notação financeira DBRS anunciou hoje que manteve o rating da dívida pública portuguesa de longo prazo em BBB (baixo), um nível acima de lixo, com perspetiva estável.

(Arquivo)

(Arquivo)

A deliberação da DBRS era aguardada pelos mercados pelo impacto que uma revisão em baixa poderia ter na capacidade de financiamento de Portugal no exterior, porque a notação de investimento atribuída pelo menos por uma das maiores agências de notação financeira é exigida para que o Banco Central Europeu (BCE) continue a comprar dívida pública em Portugal e a financiar a banca nacional.

No entanto, a agência de notação avisa que "o 'rating' pode ser pressionado de forma negativa", caso se verifique um "enfraquecimento do compromisso político para com políticas de sustentabilidade económica ou se a economia crescer menos do que o previsto, conduzindo a uma deterioração da dinâmica da dívida pública".

É que para a DBRS existem riscos face às perspetivas orçamentais do Governo, que surgem "sobretudo de assunções otimistas de crescimento e da capacidade limitada do Governo para conduzir uma estratégia orçamental apertada no médio prazo, dado o seu fraco mandato".

Em específico, a agência está preocupada com a reversão de reformas estruturais, que "ameaçam o regresso aos desequilíbrios macroeconómicos", e com a "incapacidade de lidar com pressões orçamentais que podem indicar um compromisso político fraco e aumentar as preocupações sobre a duração do ajustamento orçamental".

Ainda assim, a DBRS considera que o Governo, apesar de ser minoritário e de contar com o apoio de partidos que contestam as regras europeias, "tem mostrado compromisso" para com elas, principalmente quando alterou o Orçamento do Estado para este ano, no seguimento de conversações com Bruxelas.

Por outro lado, "o 'rating' pode ser revisto em alta se a melhoria nas finanças públicas for sustentada e se a recuperação económica demonstrar que é forte e duradoura, melhorando a perspetiva da sustentabilidade da dívida pública portuguesa".

A DBRS justifica a manutenção do 'rating' com "a estrutura favorável da maturidade da dívida pública e a redução das vulnerabilidades, depois de uma correção substancial do défice nos últimos anos".

Além disso, salienta que Portugal "usufrui da forte credibilidade das instituições da zona euro, particularmente do BCE".

Nesse sentido, a DBRS considera que, caso fosse necessário, Portugal poderia beneficiar de "ajuda financeira europeia adicional", o que ajuda a manter a perspetiva estável.

No entanto, estes fatores "positivos para o crédito" são contrabalançados por "desafios importantes", principalmente ao nível da dívida pública, mas também relacionados com "endividamento elevado do setor privado, pressões orçamentais permanentes e um potencial de crescimento baixo".

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.