sicnot

Perfil

Economia

Clientes que mudam de fornecedor de eletricidade superam os que mudam para o liberalizado

O número de clientes de eletricidade que troca de fornecedor no mercado liberalizado já é maior que o dos que mudam do mercado regulado para o livre, segundo a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

(Reuters)

(Reuters)

REUTERS

De acordo com a síntese da ERSE, em fevereiro foram registadas 38.673 mudanças de carteira entre fornecedores em mercado livre, enquanto o número de clientes que deixou o comercializador de último recurso por um em regime de mercado totalizou os 33.228.

No mês em que chegou ao mercado um novo comercializador, a espanhola Elygas Power, o segmento mais ativo na mudança de comercializador foi o de pequenos negócios, seguido pelo segmento dos consumidores domésticos, refere o relatório mensal do regulador do mercado.

No mercado liberalizado, os consumidores podem trocar de fornecedor de eletricidade as vezes que quiserem, podendo aproveitar as soluções que são mais adequadas aos seus padrões de consumo.

O mercado livre de eletricidade atingiu no final de fevereiro 4,45 milhões de clientes, o que representa um crescimento de 17% face ao mês homólogo de 2015, a uma taxa média mensal de 1,3%.

Em fevereiro, registou-se um crescimento líquido de cerca de 33 mil clientes face ao mês anterior, o que representa um acréscimo de 0,8%.

Já o consumo anualizado em mercado livre ascendeu a 39.866 Gigawatt-hora (GWh) em fevereiro, um acréscimo de 179 GWh face a janeiro.

Em fevereiro, a EDP Comercial manteve a sua posição como o principal operador no mercado livre em número de clientes (85% do total de clientes) e em consumos (cerca de 44% dos fornecimentos no mercado livre), com reforço da quota quer em número de clientes quer em consumos.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52