sicnot

Perfil

Economia

Comissão Europeia atualiza hoje previsões económicas para Portugal

A Comissão Europeia divulga hoje as suas previsões económicas da primavera, com Portugal na expetativa relativamente à trajetória do défice projetada por Bruxelas, que terá influência decisiva na decisão sobre o procedimento por défice excessivo.

© Francois Lenoir / Reuters

Durante o corrente mês de maio, a Comissão Europeia tomará as decisões sobre os procedimentos por défice excessivo (PDE) em curso, entre os quais de Portugal, que falhou a sua meta para 2015 ao registar um défice de 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), acima do limite de 3% imposto pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento, contabilizando os custos da medida de resolução aplicada ao Banif (que representou 1,4% do PIB).

O executivo comunitário tem apontado que a sua decisão sobre os PDE, incluindo aquele instaurado a Portugal a 2009 e do qual o país deveria ter saído em 2015, será tomada com base numa série de dados que ficam hoje completados, com a publicação das previsões económicas da primavera, que incluem as projeções de Bruxelas para cada Estado-membro numa série de indicadores, como o crescimento do PIB, a evolução da dívida e a trajetória do défice, até 2017.

O executivo comunitário já está em posse dos restantes elementos de que necessitava, designadamente os dados de 2015 validados pelo Eurostat -- que confirmou o défice de 4,4% contabilizando os custos da operação do Banif -, e os programas nacional de reformas e de estabilidade, que o Governo ultimou no final de abril, pelo que com as previsões económicas de hoje terá à disposição todos os dados de que necessita para decidir se há razões para fechar o procedimento ou não (e, se decidir pela segunda possibilidade, avaliar se deverá propor sanções, por incumprimento do calendário para correção do défice).

O Governo liderado por António Costa tem insistido que não haverá necessidade de apresentar medidas adicionais face à execução orçamental deste ano e tem argumentado que Bruxelas deve ter em conta, na análise da trajetória do défice, para efeitos das decisões sobre o PDE, a medida extraordinária a nível do setor bancário (a operação de resolução do Banif) que levou a que o défice de 2015 ficasse acima do limite dos 3% do PIB.

As previsões económicas da primavera, que cobrem a UE, zona euro e os 28 Estados-membros, num horizonte temporal até 2017, serão hoje apresentadas em Bruxelas às 11:00 locais (10:00 de Lisboa) pelo comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.