sicnot

Perfil

Economia

Freitas do Amaral alerta para riscos da banca nacional ser controlada por outro país

O antigo líder do CDS Diogo Freitas do Amaral alertou hoje que a banca portuguesa ficar "toda nas mãos" de empresas" do mesmo país estrangeiro terá "influência negativa" no sistema bancário e no "próprio conceito de independência nacional".

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

Em Braga, à margem de uma aula aberta de Direito Constitucional na Universidade do Minho, o também ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e subscritor de um manifesto, conhecido a 29 de abril, no qual é defendido um pensamento estratégico sobre a reconfiguração da banca em Portugal, salientou que o "problema" não está no facto dos bancos privados portugueses estarem a ser comprados por entidades espanholas mas sim em serem "todas" do mesmo país, independentemente do país que for.

Freitas do Amaral defendeu que o Governo deve tentar encontrar compradores de outras nacionalidades ou "tentar inverter" a situação e "adiar" a venda ou ainda optar por uma "nacionalização temporária", que não teria custos para o contribuinte.

"A verdade é que vários bancos privados foram caindo e há o risco de virem a ficar todos nas mãos de bancos de um só país. O problema não é serem todos do mesmo país. Não convém a Portugal é que toda banca, exceto a Caixa Geral de Depósitos, fique nas mãos de empresas do mesmo país porque isso terá influência negativa quer no funcionamento do sistema bancário, quer até no próprio conceito de independência nacional", alertou o professor.

Isto porque, explicou, que em caso de uma nova crise "a reação vai ser descarregar mais os efeitos da crise sobre os bancos portugueses do que sobre os estrangeiros, ou sobre a parte portuguesa dos bancos espanhóis do que sobre a parte espanhola", algo que considerou "inevitável, humano e natural".

Por isso, o ex-candidato a presidente da República apontou como caminho "tentar arranjar" interessados nos bancos portugueses "noutros países": "Porque não a França, porque não a Alemanha, porque não a Inglaterra, porque não os EUA, que mal tem um banco americano em Portugal, se os há na França, em Inglaterra, na Alemanha", questionou.

A não ser possível encontrar interessados noutro país, Diogo Freitas do Amaral defende outra solução como "inverter a situação tal como ela está e adiar a venda" alertando ainda que "o fato de se anunciar que se quer vender rapidamente desvaloriza o valor do banco" e que a "precipitação é inimiga da solução".

Caso aquelas soluções não fossem possíveis, Freitas do Amaral apontou, então, uma terceira via.

"Se não houver outra solução, então eu preferia a nacionalização temporária que, aliás, não custa dinheiro ao Estado porque aquilo praticamente já é do Estado. Fazia-se uma nacionalização temporária até repor outra vez aquele banco em excelentes condições", referiu.

Lusa

  • A montanha pariu a banca

    Anselmo Crespo

    Se um pequeno banco, de uma pequena economia, de um pequeno país, quiser ser grande, o que tem que fazer? Tem que olhar para os grandes bancos, de grandes economias e de grandes países e pensar fora da caixa. Foi o que fizeram os bancos portugueses. O raciocínio estava aparentemente correto. Mas quando um pequeno banco, de uma pequena economia, de um pequeno país se agiganta, corre o risco de se tornar ganancioso. E a ganância mata.

  • "Não partilhei SMS com ninguém"
    0:43

    Caso CGD

    António Domingues afirma que nunca revelou o conteúdo das mensagens trocadas com o ministro das Finanças sobre a entrega das declarações de património ao Tribunal Constitucional. O tema dos SMS foi abordado pelo ex-presidente da Caixa na sequência de uma pergunta do PCP sobre declarações feitas por António lobo Xavier no programa da SIC Notícias "Quadratura do Círculo".

  • "As regras europeias de bem estar animal são dogmas", diz diretor-geral de Veterinária
    1:32

    País

    O diretor-geral de Alimentação e Veterinária considera que as regras de bem estar animal que existem na União Europeia (UE) "parecem configurar uma transfiguração antropomórfica dos animais". Em declarações à SIC, a propósito da exportação de animais vivos para países terceiros, que têm outras regras de abate, Fernando Bernardo defendeu ainda que o método usado em Israel provoca uma insensibilização mais rápida do que o praticada na UE.

  • PAN questiona Governo sobre aposta na exportação de animais vivos para o Médio Oriente
    1:56

    País

    O partido Pessoas-Animais-Natureza lembra que à luz do Regulamento nº. 1/2005 do Conselho Europeu, os estados-membros da União Europeia (UE) devem evitar transportar animais vivos em viagens de longo curso. O deputado André Silva considera, por isso, que "o Estado português está a incumprir o regulamento" ao fomentar estas viagens, numa clara aposta económica em torno da exportação de animais vivos para Israel e outros destinos fora da UE. Para o deputado do PAN, é muito difícil ou "mesmo impossível assegurar o bem estar dos animais" em viagens de vários dias.

  • Trump pensou que presidência "seria mais fácil"

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou que a Presidência é mais difícil do que pensava e que tem saudades da vida que levava antes, em entrevistas a propósito dos primeiros 100 dias em funções.