sicnot

Perfil

Economia

Freitas do Amaral alerta para riscos da banca nacional ser controlada por outro país

O antigo líder do CDS Diogo Freitas do Amaral alertou hoje que a banca portuguesa ficar "toda nas mãos" de empresas" do mesmo país estrangeiro terá "influência negativa" no sistema bancário e no "próprio conceito de independência nacional".

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

Em Braga, à margem de uma aula aberta de Direito Constitucional na Universidade do Minho, o também ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e subscritor de um manifesto, conhecido a 29 de abril, no qual é defendido um pensamento estratégico sobre a reconfiguração da banca em Portugal, salientou que o "problema" não está no facto dos bancos privados portugueses estarem a ser comprados por entidades espanholas mas sim em serem "todas" do mesmo país, independentemente do país que for.

Freitas do Amaral defendeu que o Governo deve tentar encontrar compradores de outras nacionalidades ou "tentar inverter" a situação e "adiar" a venda ou ainda optar por uma "nacionalização temporária", que não teria custos para o contribuinte.

"A verdade é que vários bancos privados foram caindo e há o risco de virem a ficar todos nas mãos de bancos de um só país. O problema não é serem todos do mesmo país. Não convém a Portugal é que toda banca, exceto a Caixa Geral de Depósitos, fique nas mãos de empresas do mesmo país porque isso terá influência negativa quer no funcionamento do sistema bancário, quer até no próprio conceito de independência nacional", alertou o professor.

Isto porque, explicou, que em caso de uma nova crise "a reação vai ser descarregar mais os efeitos da crise sobre os bancos portugueses do que sobre os estrangeiros, ou sobre a parte portuguesa dos bancos espanhóis do que sobre a parte espanhola", algo que considerou "inevitável, humano e natural".

Por isso, o ex-candidato a presidente da República apontou como caminho "tentar arranjar" interessados nos bancos portugueses "noutros países": "Porque não a França, porque não a Alemanha, porque não a Inglaterra, porque não os EUA, que mal tem um banco americano em Portugal, se os há na França, em Inglaterra, na Alemanha", questionou.

A não ser possível encontrar interessados noutro país, Diogo Freitas do Amaral defende outra solução como "inverter a situação tal como ela está e adiar a venda" alertando ainda que "o fato de se anunciar que se quer vender rapidamente desvaloriza o valor do banco" e que a "precipitação é inimiga da solução".

Caso aquelas soluções não fossem possíveis, Freitas do Amaral apontou, então, uma terceira via.

"Se não houver outra solução, então eu preferia a nacionalização temporária que, aliás, não custa dinheiro ao Estado porque aquilo praticamente já é do Estado. Fazia-se uma nacionalização temporária até repor outra vez aquele banco em excelentes condições", referiu.

Lusa

  • A montanha pariu a banca

    Anselmo Crespo

    Se um pequeno banco, de uma pequena economia, de um pequeno país, quiser ser grande, o que tem que fazer? Tem que olhar para os grandes bancos, de grandes economias e de grandes países e pensar fora da caixa. Foi o que fizeram os bancos portugueses. O raciocínio estava aparentemente correto. Mas quando um pequeno banco, de uma pequena economia, de um pequeno país se agiganta, corre o risco de se tornar ganancioso. E a ganância mata.

  • "Foi o momento mais difícil da minha vida", disse a ministra emocionada
    3:24
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35

    País

    A Força Aérea portuguesa é a única força militar, para além da norte-americana, que pode mexer em praticamente todo o motor de um caça F-16. Na base aérea de Monte Real há uma fábrica de caças que pode levar o país a comprar mais aviões às peças, para revender a outras forças militares.

  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.