sicnot

Perfil

Economia

ACT está a acompanhar situação dos trabalhadores do Novo Banco

O inspetor-geral da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) confirmou hoje que este órgão está a acompanhar a situação dos trabalhadores do Novo Banco "no terreno", sem detalhar quais as ações em causa.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

Questionado pela Lusa sobre a denúncia do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) relativamente a trabalhadores do Novo Banco que terão sido impedidos de entrar no banco para trabalhar, Pedro Pimenta Braz disse que a ACT está "a acompanhar a situação" e que já se deslocou ao local.

O inspetor-geral da ACT não quis adiantar mais pormenores sobre o assunto por estar obrigado ao sigilo.

Na quarta-feira, o dirigente sindical do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), Paulo Alexandre, disse à Lusa que a estrutura sindical apresentou uma queixa à ACT e enviou uma carta à administração do Novo Banco a pedir explicações sobre esse tema.

O jornal Público noticiou na terça-feira que, pelo menos, uma centena de trabalhadores do Novo Banco que se recusaram a assinar as rescisões por mútuo acordo receberam uma carta a dispensá-los de se apresentarem ao serviço e que, segundo relatos, uma parte dos trabalhadores envolvidos não terá mesmo conseguido mesmo entrar nas instalações onde trabalhava.

O Novo Banco foi criado no início de agosto de 2014 na sequência da resolução do Banco Espírito Santo (BES) como banco de transição, detido na totalidade pelo Fundo de Resolução bancário.

No âmbito da reestruturação acordada entre as autoridades portuguesas e a Comissão Europeia, o Novo Banco tem de reduzir em 1.000 pessoas o número de efetivos até ao final do ano e de cortar em 150 milhões de euros os custos operativos.

No entanto, como parte significativa dos funcionários já tinha saído, nomeadamente através de um programa de reformas antecipadas, e a venda de unidades no estrangeiro implicará também a redução de pessoal, a dispensa de trabalhadores estimada pelo Novo Banco para este ano ascendia a 500, pelo que foi aberto um processo de rescisões por mútuo acordo.

Uma vez que nem todos os funcionários a quem foi proposta essa saída a aceitaram, o banco vai avançar com um processo de despedimento coletivo, que o Jornal de Negócios noticiou que irá abranger menos de 100 trabalhadores.

O Novo Banco teve prejuízos de 980,6 milhões de euros no ano passado, justificando mais de metade dos resultados negativos ainda com o "legado" que recebeu do Banco Espírito Santo (BES).

Lusa

  • Novo Banco impede a entrada de vários funcionários nas instalações do banco
    1:35

    País

    O Novo Banco tentou impedir a entrada de vários funcionários nas instalações, anulando os cartões de entrada e bloqueando as contas de acesso aos computadores. Estes são funcionários que não aceitaram rescindir o contrato de forma amigável. O sindicato dos bancários garante que o banco está a violar a lei. A autoridade para as condições do trabalho diz que está a acompanhar a situação.

  • Trabalhadores do ACT anunciam greve
    1:12

    Economia

    O sindicato dos inspectores do trabalho e o Sintap reclamam a substituição da direção da Autoridade para as Condições de Trabalho. Alegam que, por serem pouco e serem desviados para tarefas administrativas, não têm condições para laborar. Razões que levaram à marcação de greve para 2 de maio.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59