sicnot

Perfil

Economia

Carga fiscal voltou a subir em 2015

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) afirmou hoje que a carga fiscal subiu em 2015, fixando-se nos 34,4% do PIB, um agravamento de 0,3 pontos percentuais face a 2014 que reflete o aumento do peso dos impostos indiretos.

Na análise da conta das administrações públicas de 2015, hoje publicada, o CFP refere que "a carga fiscal tornou a aumentar após um ano de quase estabilização", atingindo os 34,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, um "agravamento de 0,3 pontos percentuais [que] reflete o aumento do peso dos impostos indiretos para 14,5% do PIB".

Em 2012, a carga fiscal tinha sido de 31,7% do PIB, tendo subido para os 34% em 2013 e para os 34,1% em 2014, tendo registado um novo máximo no ano passado, atingindo os 34,4%, segundo o relatório do CFP.

A instituição liderada por Teodora Cardoso indica que "três quartos do aumento da receita fiscal [em 2015] deveram-se aos impostos indiretos", acrescentando que "a recuperação da atividade económica em 2015 e as medidas de combate à fraude e evasão fiscal contribuíram, à semelhança do ocorrido em 2014, para elevar a receita de IVA".

Quanto aos outros impostos, o CFP destaca os aumentos de 6,3% do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) e de 22,8% do Imposto sobre Veículos (ISV), "refletindo o efeito da reforma da Fiscalidade Verde, a par do aumento das respetivas bases de incidência".

Entre as medidas previstas na reforma da Fiscalidade Verde estiveram a aplicação de uma taxa de carbono, que foi cobrada como um adicional ao ISP, e o agravamento de 3% das taxas de ISV em função das emissões de CO2.

Além disso, o CFP refere também que o IVA "justificou cerca de metade do crescimento dos impostos indiretos" em 2015, mas nota que a evolução deste imposto "foi cada vez menos favorável" ao longo do ano, reflexo do abrandamento da receita bruta e também do facto de os reembolsos terem passado a registar uma variação homóloga positiva a partir do terceiro trimestre.

Contudo, a instituição liderada por Teodora Cardoso afirma que "o impacto das medidas previstas nos impostos indiretos ficou aquém do esperado", uma vez que "o resultado de execução obtido com as medidas previstas pelo Ministério das Finanças não foi além dos 66%".

Excluindo a alteração ao modelo do jogo, que gerou o aumento estimado de receita (25 milhões de euros), "nenhuma das restantes atingiu o objetivo esperado", destacando o CFP o fim da cláusula de salvaguarda do IMI, a reforma da Fiscalidade Verde e os aumentos dos Impostos Especiais sobre o Consumo (IEC).

A tutela previa arrecadar 150 milhões de euros com o fim da cláusula de salvaguarda do IMI, mas a medida acabou por render apenas 68 milhões de euros. No entanto, o CFP indica que este "fraco resultado" foi compensado pela evolução "muito positiva do IMT", que aumentou 19,5% (ou seja, mais 95 milhões).

Nos outros dois casos (Fiscalidade Verde e IEC), o CFP nota que "o bom desempenho do IVA acomodou integralmente os desvios", mas sublinha que o desvio de 59 milhões nos IEC se deveu à cobrança do Imposto sobre o Tabaco e do Imposto sobre Álcool e Bebidas Alcoólicas, cuja receita conjunta caiu 0,8% face a 2014.

Quanto à Fiscalidade Verde, a instituição escreve que a contribuição sobre os sacos de plástico, com que as Finanças estimavam uma receita de 34 milhões de euros, gerou receitas de apenas um milhão de euros, ou seja, "não atingiu sequer 5% do valor previsto".

Para o CFP, estes exemplos " ilustram bem os efeitos económicos da tributação, além do efeito sobre a receita pública", tratando-se de impostos "cuja finalidade, em termos de política setorial, é reduzir riscos para a saúde dos cidadãos (caso do IT), libertação de gases com efeito de estufa, risco de entupimento em linhas de água e poluição de rios e oceanos (caso da taxa sobre sacos de plástico)".

Ou seja, nota o CFP, "a diminuição na base de incidência causada pelo acréscimo na taxa destes tributos, embora com efeito negativo na receita pública, revelou a eficácia da medida com respeito à mudança desejada no comportamento das empresas e dos cidadãos".

Do lado dos impostos diretos, verificou-se um decréscimo do seu peso no PIB, para os 10,8% do PIB e, quanto às contribuições sociais efetivas, registou-se uma estabilização em 9% no ano passado.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.