sicnot

Perfil

Economia

Secretário-geral da ONU apela para mudança radical na economia global

O secretário-geral da ONU defendeu hoje uma "mudança radical na economia global" que facilite um crescimento económico sustentável, na abertura da Cimeira de Ação Climática, que procura soluções para aplicar o Acordo de Paris do ano passado.

© Brendan McDermid / Reuters

"Devemos transformar a promessa de Paris em ação e aplicação tão depressa quanto possível. Precisamos de agir agora. Precisamos de acelerar a velocidade, o alcance e a escala da nossa resposta, local e globalmente", disse Ban Ki-moon na sua intervenção no início da reunião de dois dias em curso em Washington.

Numa conferência de imprensa posterior, o secretário-geral das Nações Unidas afirmou que é necessária a colaboração "de todo o mundo", acrescentando que "ratificar o Acordo de Paris no próximo ano é muito tarde".

De modo semelhante se expressou Jim Yong Kim, presidente do Banco Mundial, sublinhando que a cada dia que passa "o desafio climático cresce" e "os dias e meses de calor recorde transformaram-se na nova norma".

Kim referiu o rápido processo de degelo do Ártico e indicou que, este inverno, as temperaturas foram seis graus Celsius acima da média.

Na cimeira, que decorre até sexta-feira, o debate vai centrar-se nas soluções práticas para reduzir o aquecimento global, com especial ênfase nos contributos das câmaras municipais, fundamentais para o êxito deste esforço.

Entre os setores representados figuram o empresarial, o filantrópico, a sociedade civil, professores e cientistas, além dos Governos nos seus diversos níveis.

O Acordo de Paris, destinado a mudar o modelo de desenvolvimento do planeta para um que seja livre de combustíveis fósseis, entrará em vigor quando pelo menos 55 países que somem um total de 55% das emissões globais o tenham ratificado.

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria" é a Reportagem Especial de hoje.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.