sicnot

Perfil

Economia

Arábia Saudita vai manter política petrolífera, afirma novo ministro

A Arábia Saudita vai manter a sua política petrolífera, afirmou hoje o novo ministro da Energia, Indústria e Recursos Minerais saudita, Khaled al-Faleh, nomeado no sábado após o afastamento por decreto real do influente ministro do Petróleo.

© Ali Jarekji / Reuters

"A Arábia Saudita vai manter a sua política petrolífera estável", declarou Faleh, sublinhando que o reino saudita, o primeiro exportador mundial de petróleo, pretende "reforçar a posição de fornecedor de energia mais credível no mundo".

"Estamos empenhados em satisfazer a procura atual e adicional por parte dos nossos clientes mundiais", assegurou Faleh, que sucedeu no cargo a Ali al-Nouaimi.

Khaled al-Faleh foi durante vários anos presidente executivo do gigante petrolífero Saudi Aramco, uma empresa com aproximadamente 60 mil funcionários que assegura um oitavo da produção mundial de petróleo.

Ali al-Nouaimi, que foi ministro do Petróleo durante mais de duas décadas, foi um dos homens mais influentes no seio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), organismo confrontado nos últimos dois anos com a queda do preço do petróleo bruto.

Apesar do excesso de oferta nos mercados internacionais e da queda dos preços desde meados de 2014, a Arábia Saudita continuou a defender a sua quota de mercado.

Em abril último, os grandes produtores de petróleo reuniram-se em Doha, no Qatar, para tentar alcançar um consenso, mas não conseguiram chegar a acordo sobre uma eventual redução na produção para sustentar os preços.

A Arábia Saudita, então representada por Ali al-Nouaimi, insistiu, durante a reunião, num acordo vinculativo que incluísse todos os membros da OPEP, nomeadamente o seu rival Irão, que não compareceu à reunião.

No sábado, o rei Salman da Arábia Saudita decretou uma restruturação do governo saudita que incluiu, entre outras medidas, o afastamento de vários ministros e a nomeação de novos responsáveis, a dissolução do Ministério da Eletricidade e da Água e a designação de um novo governador do Banco Central saudita.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.