sicnot

Perfil

Economia

Arábia Saudita vai manter política petrolífera, afirma novo ministro

A Arábia Saudita vai manter a sua política petrolífera, afirmou hoje o novo ministro da Energia, Indústria e Recursos Minerais saudita, Khaled al-Faleh, nomeado no sábado após o afastamento por decreto real do influente ministro do Petróleo.

© Ali Jarekji / Reuters

"A Arábia Saudita vai manter a sua política petrolífera estável", declarou Faleh, sublinhando que o reino saudita, o primeiro exportador mundial de petróleo, pretende "reforçar a posição de fornecedor de energia mais credível no mundo".

"Estamos empenhados em satisfazer a procura atual e adicional por parte dos nossos clientes mundiais", assegurou Faleh, que sucedeu no cargo a Ali al-Nouaimi.

Khaled al-Faleh foi durante vários anos presidente executivo do gigante petrolífero Saudi Aramco, uma empresa com aproximadamente 60 mil funcionários que assegura um oitavo da produção mundial de petróleo.

Ali al-Nouaimi, que foi ministro do Petróleo durante mais de duas décadas, foi um dos homens mais influentes no seio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), organismo confrontado nos últimos dois anos com a queda do preço do petróleo bruto.

Apesar do excesso de oferta nos mercados internacionais e da queda dos preços desde meados de 2014, a Arábia Saudita continuou a defender a sua quota de mercado.

Em abril último, os grandes produtores de petróleo reuniram-se em Doha, no Qatar, para tentar alcançar um consenso, mas não conseguiram chegar a acordo sobre uma eventual redução na produção para sustentar os preços.

A Arábia Saudita, então representada por Ali al-Nouaimi, insistiu, durante a reunião, num acordo vinculativo que incluísse todos os membros da OPEP, nomeadamente o seu rival Irão, que não compareceu à reunião.

No sábado, o rei Salman da Arábia Saudita decretou uma restruturação do governo saudita que incluiu, entre outras medidas, o afastamento de vários ministros e a nomeação de novos responsáveis, a dissolução do Ministério da Eletricidade e da Água e a designação de um novo governador do Banco Central saudita.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.