sicnot

Perfil

Economia

Londres acolhe cimeira internacional anticorrupção esta 5ª feira

Dirigentes de todo o mundo vão reunir-se, na próxima quinta-feira, em Londres para uma cimeira anticorrupção, com a qual o primeiro-ministro britânico espera colocar o tema no "topo da agenda internacional", foi hoje anunciado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jim Young / Reuters

Durante a cimeira, Cameron pretende que os participantes assinem "a primeira declaração mundial contra a corrupção", indica um comunicado do executivo britânico hoje publicado.

O documento compromete os signatários a "trabalharem juntos" contra a corrupção, e também a "reconhecerem que a corrupção mina os esforços para lutar contra a pobreza, para promover a prosperidade e combater o terrorismo e extremismo".

Os signatários devem "perseguir a corrupção, onde quer que esteja, e punir as pessoas que a cometem, facilitam ou são cúmplices".

"A batalha contra a corrupção não será ganha de um dia para o outro. Vai ser preciso tempo, coragem e determinação", indica Cameron, em comunicado.

"Juntos vamos colocar a luta contra a corrupção onde deve estar: no topo da agenda internacional", acrescentou.

A cimeira vai reunir os líderes dos países mais afetados pela corrupção, como o Presidente afegão, Ashraf Ghani, ou o seu homólogo nigeriano, Muhammadu Buhari.

Foram também convidados o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, e o presidente da ONG anticorrupção Transparency International, José Ugaz.

O anúncio desta cimeira surge cerca de um mês após as revelações dos chamados "Papéis do Panamá", que deram a conhecer um vasto esquema de evasão fiscal através de empresas fantasma que escondiam a verdadeira identidade dos beneficiários.

O próprio David Cameron viu-se envolvido no escândalo, sendo obrigado a confessar que foi detentor de ações de uma sociedade 'offshore' do seu pai, falecido em 2010.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.