sicnot

Perfil

Economia

Londres acolhe cimeira internacional anticorrupção esta 5ª feira

Dirigentes de todo o mundo vão reunir-se, na próxima quinta-feira, em Londres para uma cimeira anticorrupção, com a qual o primeiro-ministro britânico espera colocar o tema no "topo da agenda internacional", foi hoje anunciado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jim Young / Reuters

Durante a cimeira, Cameron pretende que os participantes assinem "a primeira declaração mundial contra a corrupção", indica um comunicado do executivo britânico hoje publicado.

O documento compromete os signatários a "trabalharem juntos" contra a corrupção, e também a "reconhecerem que a corrupção mina os esforços para lutar contra a pobreza, para promover a prosperidade e combater o terrorismo e extremismo".

Os signatários devem "perseguir a corrupção, onde quer que esteja, e punir as pessoas que a cometem, facilitam ou são cúmplices".

"A batalha contra a corrupção não será ganha de um dia para o outro. Vai ser preciso tempo, coragem e determinação", indica Cameron, em comunicado.

"Juntos vamos colocar a luta contra a corrupção onde deve estar: no topo da agenda internacional", acrescentou.

A cimeira vai reunir os líderes dos países mais afetados pela corrupção, como o Presidente afegão, Ashraf Ghani, ou o seu homólogo nigeriano, Muhammadu Buhari.

Foram também convidados o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, e o presidente da ONG anticorrupção Transparency International, José Ugaz.

O anúncio desta cimeira surge cerca de um mês após as revelações dos chamados "Papéis do Panamá", que deram a conhecer um vasto esquema de evasão fiscal através de empresas fantasma que escondiam a verdadeira identidade dos beneficiários.

O próprio David Cameron viu-se envolvido no escândalo, sendo obrigado a confessar que foi detentor de ações de uma sociedade 'offshore' do seu pai, falecido em 2010.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.