sicnot

Perfil

Economia

Associação Portuguesa de Bancos favorável à nacionalização do Novo Banco

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), Fernando Faria de Oliveira, manifestou-se hoje favorável à nacionalização do Novo Banco (NB), embora considere difícil que possa acontecer.

© Rafael Marchante / Reuters

"Tenho muitas dúvidas de que possa ser nacionalizado no quadro vigente. Mesmo sendo banco de transição, para ser nacionalizado tinha de ter uma resolução. Isso traz problemas. A não ser que haja uma negociação política e que, por razões de interesse nacional, seja possível um 'waiver' [dispensa] em relação [à obrigação de venda do Novo Banco]", explicou, em entrevista hoje ao jornal Negócios.

O líder dos bancários afirma não ter nada a objetar caso a nacionalização fosse feita com o Estado a assumir os custos do empréstimo para o NB, mas vê "com muita dificuldade" que possa acontecer.

Faria de Oliveira manifestou a necessidade de fortalecimento do sistema financeiro e, para que tal aconteça, será necessário encontrar uma solução para o Novo Banco e, caso este seja comprado, quem o faça terá de dar "todas as garantias reputacionais, de solidez e capacidade de gestão".

"Que haja uma minimização de custos para o sistema e que se evite por todos os modos uma subsidiação pelos bancos concorrentes do Novo Banco", afirmou.

Faria de Oliveira lembrou que se devem tirar conclusões da saída de bancos estrangeiros de Portugal nos últimos anos, notando que tem a ver com a "necessidade de assegurar um sistema financeiro português forte" e a necessidade de um pensamento estratégico sobre o futuro da banca, sob a égide do Governo e do Banco de Portugal.

Na entrevista ao Negócios, Faria de Oliveira, afirma que a recuperação da rentabilidade dos bancos exige "trabalho interno", bem como travar as medidas do Estado, que considera serem de "extrema defesa do consumidor, com caráter populista".

"São propostas [do PCP e BE] que se inserem muito numa óptica extremada de defesa do consumidor, com caráter populista. Não tomam em consideração os efeitos que podem provocar, não apenas no sistema bancário, mas no próprio interesse da economia e dos cidadãos", reitera.

Faria de Oliveira lembrou que a situação da banca "é um legado de crise soberana, de um ciclo económico ímpar muito prolongado" e do facto de terem ocorrido alguns casos no setor português que puseram em causa a sua reputação.

O líder dos bancários frisa que o nível de rentabilidade dos bancos "é baixíssimo", em alguns casos negativo, sendo "muito difícil" atrair capital, considerando que, para que a situação seja resolvida, é necessário uma "atuação interna dos bancos", além de "coerência das medidas a nível do Estado", que sejam compatíveis com o "fortalecimento da solidez da banca".

"Não faz sentido nenhum pôr em prática medidas que acabam por prejudicar seriamente, por agravamento de custos e por restrição ao crescimento das receitas, a capacidade de os bancos recuperarem rentabilidade", explica.

Faria de Oliveira lembra também que o sistema bancário é "uma atividade económica" e não "um serviço público", considerando que para a existência de prestação de serviços gratuitos, os bancos têm de ser "compensados como noutras atividades em que o Estado paga pela prestação de serviços que não realiza".

O mesmo responsável considera ainda, na entrevista, que o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, tem condições para concluir o mandato, considerando que tudo depende da capacidade de serem criarem "condições de funcionamento transparente e colaborativo" entre o Governo e aquele responsável.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.