sicnot

Perfil

Economia

Europa é uma "bicicleta sem ar nos pneus", alerta Martin Schulz

O presidente do Parlamento Europeu disse hoje que a Europa continua a ser uma "bicicleta, mas sem ar nos pneus" e receia que a união fique mais fraca devido às crises que atingem o continente europeu.

Reuters

"Pela primeira vez na história da Europa, não é certo que a União Europeia (UE) saia destas crises mais forte. Pode acontecer que fiquemos ainda mais fracos", disse ao Diário de Notícias o presidente do Parlamento Europeu, numa entrevista em que aborda as questões financeiras, a crise dos refugiados, o referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE e a falta de unidade entre os Estados-membros.

"Continuamos a ser uma bicicleta, mas sem ar nos pneus. Temos inúmeros problemas para resolver. Continuamos a pedalar, mas os nossos instrumentos não estão na melhor forma", diz o alemão Martin Schulz quando confrontado com a imagem de que integração europeia é uma "bicicleta" que tem de continuar a andar para evitar cair.

Schulz explica que aqueles que querem destruir a União Europeia estão a ganhar eleições e acusa a "maioria" que acredita ma cooperação transnacional de se manter em silêncio contra uma minoria hostil muito "ruidosa".

"Venceremos se a maioria silenciosa puder ser novamente mobilizada pelos ideais [europeus]. O espírito desta comunidade -- de que juntos somos mais fortes -- está a perder-se cada vez mais. E esse é um dos problemas", refere, acrescentando que se verifica uma falta de unidade entre os vários Estados.

Na entrevista ao DN, o presidente do Parlamento Europeu diz que a União Europeia atravessa um "género de policrise", destacando que o euro é uma moeda forte, mas que o sistema monetário não é estável.

"Somos a região mais rica do mundo, mas a distribuição da riqueza não é justa nem equitativa", adianta.

A "policrise" segundo Schulz incluiu ainda a crise dos refugiados, um problema que, afirma, pode ser facilmente gerido distribuindo um milhão de pessoas pelos 500 milhões dos 28 Estados-membros.

"O que me irrita verdadeiramente é que alguns países que não estão a participar na redistribuição de refugiados e que contribuíram para criar esta crise, vêm depois criticar a União Europeia por não ser eficaz na gestão dos refugiados. Isto é mesmo cínico", acusa.

Sobre a permanência, ou não, do Reino Unido na UE, Schulz diz que os britânicos "são pragmáticos" e que a maioria vai votar "para ficar" na europa no referendo marcado para o dia 23 de junho.

  • Dia da Europa celebra-se hoje
    0:53

    Mundo

    Celebra-se hoje, dia 9 de maio, o Dia da Europa. Para João Tatá dos Anjos, chefe da Comissão Europeia em Portugal, a unidade do continente é a solução para fortalecer o peso da Europa a nivel internacional, numa altura em que o projecto europeu enfrenta várias crises, como a retoma lenta da economia e, mais recentemente, a crise humanitária dos refugiados.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59