sicnot

Perfil

Economia

EasyJet passa de lucros a prejuízos após atentados de Paris e fim de voos de Sharm el-Sheikh

A EasyJet teve prejuízos de 20 milhões de libras (25,7 milhões de euros) no semestre concluído a 31 de março, devido aos atentados de Paris e à supressão dos voos de Sharm el-Sheikh, no Egito, foi hoje divulgado.

© Srdjan Zivulovic / Reuters

A companhia aérea britânica de baixo custo esclareceu que os prejuízos contrastam com o lucro de cinco milhões de libras (6,4 milhões de euros), face a igual período do ano anterior, refere em comunicado.

As receitas aumentaram 0,3% para 1.771 milhões de libras (2.282 milhões de euros) no semestre analisado, face a igual semestre do ano anterior.

A companhia aérea explicou que os ataques terroristas e as taxas de câmbio desfavoráveis tiveram um impacto negativo nos resultados, apesar de as receitas dos voos para as localidades que têm as principais estâncias de esqui tenham aumentado.

O Governo britânico, depois de o abate em 2015 do avião russo em Sharm el-Sheikh, no Egito, decidiu suspender os voos para esta localidade.

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.