sicnot

Perfil

Economia

Governo japonês pede revisão de sete milhões de carros por airbags defeituosos

O Governo japonês pediu aos fabricantes de carros para chamarem à revisão sete milhões de veículos onde foram colocados airbaigs potencialmente defeituosos da empresa Takata, noticia hoje a imprensa.

© Yuya Shino / Reuters

Tóqui decidiu assim seguir aquilo que fizeram os Estados Unidos da América, país onde se registaram dez das 11 mortes relacionadas com os airbags da japonesa Takata. A 11.ª morte ocorreu na Malásia.

Os EUA exigiram aos fabricantes uma revisão de todos os carros que possam ter airbags com defeito.

Em causa está um problema que, em determinadas circunstâncias de temperatura e humidade, pode fazer explodir o airbag, projetando fragmentos metálicos.

Se mais estes sete milhões de carros forem sujeitos a revisão, ascenderão a 20 milhões os automóveis chamados a inspeção só no Japão por causa dos airbags.

Entre os fabricantes de carros mais afetados estão a Nissan, Toyota, Honda, Ford, Chrysler, Mazda, Honda, BMW, Mitsubishi e Volkswagen.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".