sicnot

Perfil

Economia

Governo japonês pede revisão de sete milhões de carros por airbags defeituosos

O Governo japonês pediu aos fabricantes de carros para chamarem à revisão sete milhões de veículos onde foram colocados airbaigs potencialmente defeituosos da empresa Takata, noticia hoje a imprensa.

© Yuya Shino / Reuters

Tóqui decidiu assim seguir aquilo que fizeram os Estados Unidos da América, país onde se registaram dez das 11 mortes relacionadas com os airbags da japonesa Takata. A 11.ª morte ocorreu na Malásia.

Os EUA exigiram aos fabricantes uma revisão de todos os carros que possam ter airbags com defeito.

Em causa está um problema que, em determinadas circunstâncias de temperatura e humidade, pode fazer explodir o airbag, projetando fragmentos metálicos.

Se mais estes sete milhões de carros forem sujeitos a revisão, ascenderão a 20 milhões os automóveis chamados a inspeção só no Japão por causa dos airbags.

Entre os fabricantes de carros mais afetados estão a Nissan, Toyota, Honda, Ford, Chrysler, Mazda, Honda, BMW, Mitsubishi e Volkswagen.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.