sicnot

Perfil

Economia

NATO e EUA insistem nos alertas ao perigo de saída do Reino Unido da UE

Treze antigos altos funcionários norte-americanos e cinco ex-dirigentes da NATO alertaram hoje, numa carta conjunta enviada ao Daily Telegraph, para os perigos de enfraquecimento da segurança na Europa caso o Reino Unido saia da União Europeia (UE).

(Arquivo)

(Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

Na carta, publicada a pouco mais de um mês do referendo de 23 de junho, as 18 personalidades, ligadas à diplomacia, defesa e exército, defenderam que a saída do Reino Unido (UE) vai "prejudicar a segurança no Ocidente" e "enfraquecer perigosamente a Europa".

Os antigos líderes da NATO acrescentaram que um "Brexit" vai "minar" a aliança militar transatlântica e dar "apoio aos inimigos do Ocidente", permitindo ainda, "sem qualquer dúvida, uma perda da influência britânica".

"Dado a escala e a quantidade de desafios à paz e estabilidade que enfrentamos em conjunto, a comunidade euro-atlântica necessita de um Reino Unido empenhado e ativo", escreveram Peter Carington, Javier Solana, George Robertson, Jaap de Hoop Scheffer e Anders Fogh Rasmussen.

"O «Brexit» vai, sem qualquer dúvida, levar a uma perda da influência britânica, minar a NATO e socorrer os inimigos do Ocidente precisamente quando precisamos de unir esforços no combate da comunidade euro-atlântica às ameaças comuns, inclusive à porta da nossa própria casa", escreveram.

Na mesma carta, 13 antigos secretários de Estado e da Defesa, bem como vários conselheiros da Segurança Nacional defenderam que a Europa ficará "bastante enfraquecida" se o Reino Unido deixar os "28".

"O mundo necessita de uma Europa unida para trabalhar em conjunto com os Estados Unidos", escreveram os signatários, pertencentes a todas as administrações norte-americanas dos últimos 40 anos.

"A relação especial entre os nossos países não beneficiará com a perda da influência e o Reino Unido irá sofrer por não fazer parte da UE", escreveram os antigos secretários de Estado George Schultz e Madeleine Albright e os ex-secretários da Defesa Frank Karlucci, William Perry, Bill Cohen, Bob Gates e Leo Panetta, entre outros.

Em abril, numa visita a Londres, o Presidente norte-americano, Barack Obama, sublinhou que o Reino Unido, ao pertencer à UE, "tem exponenciado a influência global" do país no mundo.

O antigo ministro da Defesa britânico Liam Fox, que tem estado a fazer campanha pelo "não" à UE, defendeu, por seu lado, que os avisos "estão já fora de prazo".

"Muitas dessas pessoas pertencem a uma era muito diferente da que nós vivemos hoje", disse Liam Fox à cadeia de televisão britânica BBC.

Lusa

  • Sim e não ao "Brexit" praticamente empatados

    Mundo

    Os partidários da permanência do Reino Unido na União Europeia (UE) e os da sua saída (ou "Brexit") estão praticamente empatados, revela uma sondagem divulgada hoje, no início da campanha oficial do referendo.

  • Obama está em Londres para analisar o Brexit

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está em Londres para analisar a possível saída dos britânicos da União Europeia. O Air Force One aterrou no aeroporto de Stansted, no nordeste da capital britânica, às 21H45. Além do Brexit, Barack Obama tem ainda agendado um almoço com a rainha Isabel II, que acaba de celebrar 90 anos. Esta é a quinta visita de Obama ao Reino Unido e será provavelmente a última como Presidente dos Estados Unidos da América.

  • Visita de Obama ao Reino Unido criticada pelos apoiantes do Brexit
    2:13

    Mundo

    A visita de Barack Obama a Londres está a ser ensombrada pelas críticas dos que se opõem à permanência do Reino Unido na União Europeia. Os partidários do chamado Brexit apontam o dedo ao Presidente norte-americano por estar a interferir num assunto interno, ao apoiar a posição de David Cameron. Além do encontro com o primeiro-ministro britânico, Obama e Michelle foram recebidos pela rainha Isabel II. Depois do Reino Unido Barack Obama vai visitar Hannover na Alemanha.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.