sicnot

Perfil

Economia

Nokia com prejuízos de 513 milhões de euros no 1º trimestre do ano

A multinacional finlandesa Nokia anunciou esta terça-feira que registou um prejuízo de 513 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, contra um lucro de 177 milhões de euros em igual período de 2015.

© Bob Strong / Reuters

A fabricante finlandesa atribuiu o prejuízo nos três primeiros meses deste ano aos custos com a integração da Alcatel-Lucent, empresa que a tecnológica Nokia adquiriu em 2015 por 15.600 milhões de euros, refere em comunicado.

As vendas da Nokia atingiram os 5.499 milhões de euros nos três primeiros meses deste ano, mais 87,3% face a idêntico período do ano passado, mas as receitas da área tecnológica caíram 26% no período em análise.

O presidente-executivo da Nokia, Rajeev Suri, esclareceu que "apesar da integração de uma empresa com a escala da Alcatel-Lucent seja complexa e leve tempo", a multinacional finlandesa "confia nos avanços efetuados para alcançar as maiores sinergias".

"Esperamos também que os planos de transição corram o mais rapidamente possível", disse o gestor.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.