sicnot

Perfil

Economia

Venezuela prolonga fecho de serviços públicos para poupar energia

O Governo venezuelano anunciou hoje que os serviços públicos do país vão continuar fechados às quartas, quintas e sextas-feiras até pelo menos 27 de maio, para poupar energia elétrica no país.

Às quartas, quintas e sextas-feiras e durante pelo menos duas semanas todos os serviços do Estado estão encerrados.

Às quartas, quintas e sextas-feiras e durante pelo menos duas semanas todos os serviços do Estado estão encerrados.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

"A partir da próxima semana prolongar-se-á, por mais duas semanas, o regime especial de dias não laboráreis. A administração pública garantirá os serviços básicos para o povo", anunciou o governador do Estado venezuelano de Arágua.

O anúncio foi feito desde o "Comando Presidencial", no palácio de Miraflores, em Caracas, sede da Presidência da Venezuela, onde o governante explicou que a administração pública funcionará apenas às segundas e terças-feiras e que às sextas-feiras continuará a não haver aulas.

A medida, precisou, tem como propósito travar a descida do nível de água das barragens venezuelanas, em particular a de El Guri, a maior do país, fortemente afetada por uma seca provocada pelo fenómeno meteorológico El Niño.

A 26 de março último o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que os serviços públicos do país parariam as atividades às quartas, quintas e sextas-feiras, durante duas semanas, para poupar energia elétrica.

Nicolás Maduro explicou que a Venezuela está a ser fortemente afetada por "calor extremo" e uma "extrema seca", que fez descer o nível das águas das barragens.

"Temos tido dois anos de seca, os mais trágicos da história, produto do desenvolvimento do [fenómeno climático] El Niño", disse.

Nicolás Maduro anunciou ainda a criação de uma Comissão Especial Presidencial para responder à situação.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),