sicnot

Perfil

Economia

Centeno espera que cumprimento das metas orçamentais seja valorizado por Bruxelas

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta quarta-feira, em Berlim, que o governo está focado em executar o orçamento de 2016, esperando que tal seja valorizado pela Comissão Europeia na avaliação do cumprimento do Programa de Estabilidade.

TIAGO PETINGA/ LUSA

"O que este governo está empenhado em fazer é a execução orçamental de 2016 e cumprir aquilo que foram os compromissos que assumiu com a União Europeia. Acho que isso vai ser muito valorizado no momento de tomar uma decisão" declarou à agência Lusa em Berlim.

O Euractiv, publicação 'online' dedicada a assuntos europeus, noticiou hoje que o colégio da 'Comissão Juncker' decidiu lançar um processo de sanções contra Espanha e Portugal após concluir, num debate de orientação realizado na terça-feira, que os dois países não fizeram "esforços suficientes" para reduzir os respetivos défices.

A Comissão Europeia, entretanto, negou ter proposto sanções a Portugal e Espanha no quadro dos Procedimentos por Défice Excessivo, sublinhando que as decisões sobre o cumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento só serão tomadas na próxima semana.

Mário Centeno acrescentou que a falha na correção do défice é um assunto relativo a 2015 e "não deste governo", mas garantiu que existe a preocupação de implementar de forma rigorosa o Orçamento do Estado de 2016.

"Eu espero que esta posição do governo seja suficiente, e estou convencido de que vai ser, para evitar que os males que vieram de trás não tenham consequências hoje. É partindo dessa situação que nós temos que atuar, e a preocupação existe no sentido que ela se espelha na nossa atuação em 2016", referiu.

O ministro das Finanças, que se reuniu hoje em Berlim com o homólogo alemão, Wolfgang Schäuble, acrescentou que "o maior desafio que se coloca à economia portuguesa é o de ultrapassar a fase de quase estagnação que viveu durante o segundo semestre de 2015", potenciada pelo ciclo eleitoral, pelo impasse político no país e pelo "adensar de problemas na Europa, como os refugiados e as eleições espanholas".

Mário Centeno disse que a recuperação económica "não vai acontecer de um momento para o outro", mas garantiu que, na perspetiva do governo, vai ser visível de forma crescente ao longo do ano de 2016.

Portugal deveria ter colocado o défice abaixo do limiar dos 3% do PIB em 2015, mas de acordo com os dados validados pelo gabinete oficial de estatísticas da UE, o Eurostat, o défice orçamental de Portugal foi no final do ano passado de 4,4%, incluindo o impacto orçamental da medida de resolução aplicada ao Banif, que valeu 1,4% do PIB.

A Espanha, que vive uma situação de impasse político, com novas eleições agendadas para 26 de junho, registou um défice de 5,1% em 2015.

Lusa

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.