sicnot

Perfil

Economia

Centeno espera que cumprimento das metas orçamentais seja valorizado por Bruxelas

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta quarta-feira, em Berlim, que o governo está focado em executar o orçamento de 2016, esperando que tal seja valorizado pela Comissão Europeia na avaliação do cumprimento do Programa de Estabilidade.

TIAGO PETINGA/ LUSA

"O que este governo está empenhado em fazer é a execução orçamental de 2016 e cumprir aquilo que foram os compromissos que assumiu com a União Europeia. Acho que isso vai ser muito valorizado no momento de tomar uma decisão" declarou à agência Lusa em Berlim.

O Euractiv, publicação 'online' dedicada a assuntos europeus, noticiou hoje que o colégio da 'Comissão Juncker' decidiu lançar um processo de sanções contra Espanha e Portugal após concluir, num debate de orientação realizado na terça-feira, que os dois países não fizeram "esforços suficientes" para reduzir os respetivos défices.

A Comissão Europeia, entretanto, negou ter proposto sanções a Portugal e Espanha no quadro dos Procedimentos por Défice Excessivo, sublinhando que as decisões sobre o cumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento só serão tomadas na próxima semana.

Mário Centeno acrescentou que a falha na correção do défice é um assunto relativo a 2015 e "não deste governo", mas garantiu que existe a preocupação de implementar de forma rigorosa o Orçamento do Estado de 2016.

"Eu espero que esta posição do governo seja suficiente, e estou convencido de que vai ser, para evitar que os males que vieram de trás não tenham consequências hoje. É partindo dessa situação que nós temos que atuar, e a preocupação existe no sentido que ela se espelha na nossa atuação em 2016", referiu.

O ministro das Finanças, que se reuniu hoje em Berlim com o homólogo alemão, Wolfgang Schäuble, acrescentou que "o maior desafio que se coloca à economia portuguesa é o de ultrapassar a fase de quase estagnação que viveu durante o segundo semestre de 2015", potenciada pelo ciclo eleitoral, pelo impasse político no país e pelo "adensar de problemas na Europa, como os refugiados e as eleições espanholas".

Mário Centeno disse que a recuperação económica "não vai acontecer de um momento para o outro", mas garantiu que, na perspetiva do governo, vai ser visível de forma crescente ao longo do ano de 2016.

Portugal deveria ter colocado o défice abaixo do limiar dos 3% do PIB em 2015, mas de acordo com os dados validados pelo gabinete oficial de estatísticas da UE, o Eurostat, o défice orçamental de Portugal foi no final do ano passado de 4,4%, incluindo o impacto orçamental da medida de resolução aplicada ao Banif, que valeu 1,4% do PIB.

A Espanha, que vive uma situação de impasse político, com novas eleições agendadas para 26 de junho, registou um défice de 5,1% em 2015.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.