sicnot

Perfil

Economia

Carga fiscal de 2015 é a mais alta desde 1995

A carga fiscal atingiu no ano passado o valor mais alto dos últimos 21 anos. Segundo o INE, o peso dos impostos já corresponde a 34,5% do PIB.

(SIC)

(SIC)

Segundo as Estatísticas das Receitas Fiscais do Instituto Nacional de Estatística (INE), no ano passado, a carga fiscal aumentou 4,4%, após o crescimento de 2,1% em 2014, atingindo os 61,9 mil milhões de euros e reforçando o seu peso no PIB de 34,2% para cerca de 34,5%.

Este aumento foi "determinado pela evolução positiva da receita dos impostos diretos (2,6%), dos impostos indiretos (6,0%) e das contribuições sociais (4,0%)", destacando-se as contribuições das receitas do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC) e do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA).

Ainda assim, o INE nota que, excluindo os impostos recebidos pelas instituições da União Europeia, Portugal manteve em 2015 uma carga fiscal inferior à média da União Europeia (34,3%, que compara com 39,0% para a UE28), com o país a posicionar-se "sensivelmente a meio da tabela", com uma carga fiscal superior à da Espanha (33,9%), mas inferior à da Grécia (36,3%).

Nos impostos diretos, registou-se em 2015 um decréscimo de 1,4% nas receitas do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) e um aumento de 15,7% no IRC.

Já nos impostos indiretos, o INE destaca os aumentos de 4,7% da receita do IVA e de 10,4% da receita com o Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP). A receita com o imposto sobre o tabaco voltou a diminuir (-1,1%).

Em 2015 continuaram a registar-se "crescimentos acentuados da receita" no Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI, 7,7%), no Imposto sobre Veículos (ISV, 22,8%) e no Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT, 20,8%).

No seu conjunto, o ISP, o IMI, o ISV e o IMT contribuíram para o crescimento da receita fiscal em 610 milhões de euros.

Quanto às contribuições sociais efetivas, cresceram 4,0%, traduzindo o aumento do número de beneficiários com remunerações declaradas à Segurança Social, mas em termos europeus Portugal registou "um dos pesos relativos mais baixos das contribuições sociais efetivas na carga fiscal (sétima mais baixa, com 26,2% em 2015), inferior à média da UE28 de 31,5%".

Relacionando a carga fiscal com a taxa de variação nominal do PIB a preços de mercado, em 2015 a receita fiscal cresceu a um ritmo superior ao do PIB, com taxas de 4,4% e 3,4%, respetivamente. Segundo o INE, "foi o terceiro ano consecutivo em que a taxa de variação da carga fiscal ficou acima da taxa de variação nominal do PIB e atingiu o nível mais elevado desde 1995".

O aumento do nível da carga fiscal é explicado pelo comportamento da receita do IRC e do IVA, que subiu cerca de 740 e 680 milhões de euros, respetivamente, refletindo "o reforço de medidas de combate à evasão fiscal, como o sistema 'e-fatura' e o controlo de inventários", e ainda pela subida em cerca de 630 milhões de euros das contribuições sociais efetivas.

Relativamente ao IRS, viu no ano passado a receita cair em cerca de 190 milhões de euros (-1,4%), "em parte" devido à "componente relativa a rendimentos de capitais, uma vez que a base tributária (juros recebidos) terá diminuído devido às baixas taxas de juro que se observam atualmente".

Ainda assim, o IRS assumiu-se como "o principal imposto direto", tendo representado 67,5% do total deste tipo de impostos em 2015 (70,2% em 2014).

Já o IRC "cresceu significativamente" (variação de 15,7% face a 2014), atingindo mais de cinco mil milhões e recuperando o peso relativo no total dos impostos diretos.

No que respeita aos impostos indiretos, o IVA representou 58,5% das receitas obtidas por esta via em 2015, com o valor arrecadado a crescer 4,7% face a 2014 sobretudo devido à expansão da base tributária e ao reforço de medidas de combate à evasão fiscal.

O crescimento de 10,4% do ISP, que representou 11,7% dos impostos indiretos em 2015, é explicada sobretudo pelo aumento das taxas em resultado do aumento da contribuição para o setor rodoviário e da introdução da taxa de carbono prevista na fiscalidade verde.

Quanto ao IMI, voltou a subir (7,7%) em 2015, depois de já ter crescido 8,1% e 17,3% em 2014 e 2013, respetivamente, e representou 5,9% do total dos impostos indiretos, numa evolução explicada pela conclusão da avaliação geral de prédios urbanos, que alargou a base de incidência do imposto, e pelo fim da cláusula geral de salvaguarda.

O imposto do selo representou 4,6% dos impostos indiretos, tendo a sua receita crescido 3,8%, enquanto os impostos sobre o registo de automóveis (IA/ISV) e sobre as transmissões onerosas de imóveis (IMT) representaram, ambos, 2,2% do total dos impostos indiretos, aumentando 22,8% e 20,8% em 2015, pela mesma ordem.

Conforme nota o INE, comparando com outros países da União Europeia "Portugal é um dos países em que o peso dos impostos indiretos na carga fiscal é elevado (décimo, em 2015, com um peso de 42,3%), significativamente superior à média da UE28 (34,7%)".

Relativamente ao designado GAP de IVA - indicador que mede a diferença entre o chamado IVA teórico, que resultaria de aplicar as taxas legais aos bens e serviços suscetíveis deste imposto nas contas nacionais, e o IVA efetivamente cobrado - situou-se em 1.707 milhões de euros em 2013, o que corresponde a 11,1% do IVA cobrado no ano e traduz uma diminuição de 2,5 pontos percentuais face ao ano anterior.

Em 2012 tinha-se verificou-se o aumento mais expressivo deste indicador, que atingiu 2.196 milhões de euros (13,6% do IVA cobrado), diminuindo em 2013 para 1.707 milhões de euros.

Com Lusa

  • Mais de 50 concelhos do país em risco máximo de incêndio

    País

    Mais de meia centena de concelhos de dez distritos do país estão hoje em risco 'máximo' de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). De acordo com o IPMA, estão sob este aviso 51 concelhos dos distritos de Castelo Branco, Faro, Portalegre, Santarém, Coimbra, Leiria, Guarda, Vila Real, Viseu e Bragança.

  • "Ao contrário do que diz a direita, o futuro dos jovens é aqui"
    0:52

    Economia

    António Costa atacou esta sexta-feira à noite a direita com o aumento do emprego jovem. Perante vários jovens no acampamento nacional da Juventude Socialista, o secretário-geral do PS dirigiu-se ainda aos partidos de direita para garantir que o aumento do salário mínimo está a criar mais emprego com maior qualidade.

  • Uma viagem aérea por Pegões
    1:00
    Visão de Portugal

    Visão de Portugal

    DIARIAMENTE NO JORNAL DA NOITE

    O espaço Visão de Portugal, do Jornal da Noite da SIC, mostra o país através de imagens aéreas. A rubrica leva-nos esta sexta-feira a sobrevoar Pegões, no concelho de Tomar. 

  • Porto eleito pela terceira vez o melhor destino europeu 
    2:53

    País

    O Porto foi eleito o melhor destino europeu pela terceira vez e as distinções internacionais não param de chegar. Desta vez os elogios chegam através da norte-americana CNN. Os preços acessíveis, a gastronomia, a história e a arquitetura são os pontos da cidade que tem a rua com maior tráfego do país. 

  • Lisboa é o terceiro melhor destino de cruzeiros
    1:22

    País

    O Turismo em Lisboa tem registado um crescimento. A cultura, a arte e os preços baixos são os pontos fortes apontados pelos turistas. A capital é já considerada o terceiro melhor destino de cruzeiros. O novo terminal do porto de Lisboa e a ligação direta a Pequim deverão aumentar ainda mais o número de visitantes.

  • Ir ao Minho e a Sintra
    22:50
  • Morreu Charlie Gard

    Mundo

    Charlie Gard morreu esta sexta-feira no hospital, de acordo com a BBC. O bebé de 11 meses sofria de uma doença terminal rara.