sicnot

Perfil

Economia

Nissan vai adquirir 34% da Mitsubishi Motors por 1,9 mil milhões de euros

O construtor de automóveis japonês Nissan vai adquirir, por via de aumento de capital, 34% do seu compatriota Mitsubishi Motors, que se vê envolvido num escândalo de fraude, por 1,9 mil milhões de euros, segundo documentos oficiais hoje publicados.

© Toru Hanai / Reuters

Nas informações transmitidas à Agência de Serviços Financeiros (FSA) e consultadas pela agência de notícias francesa France Presse, a Mitsubishi Motors explica que vai emitir para a Nissan 506,6 milhões de ações ordinárias, a um preço de 468,52 yens a unidade, o que corresponde a um montante total de 237,36 mil milhões de yens (1,9 mil milhões de euros).

As ações da Mitsubishi Motors valiam 495 yens na quarta-feira, pouco antes dos relatórios das reuniões entre os dois grupos, valor que cresceu 16,16% na quinta-feira para 575 yens, depois de confirmadas as negociações.

O acordo selando a aquisição por parte da Nissan deverá ser assinado até 25 de maio, para uma transação que tem de estar efetivada em outubro.

Com esta operação, a Nissan Motors vai tornar-se o maior acionista da Mitsubishi Motors Corporation (MMC), frente à Mitsubishi Heavy Industries Group, que detém 20% das ações.

Está agendada para a tarde de hoje uma conferência de imprensa conjunta entre os dois grupos, em Yokohama, no Japão.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".