sicnot

Perfil

Economia

Porto menos tradicional devido ao turismo

A explosão do turismo em cidades como o Porto está a alterar as tendências de investimento urbanas com novas manifestações físicas e arquiteturais, substituindo espaços tradicionais como por exemplo tascas e mercearias portuenses em cafés internacionais, indica um estudo.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A Casa da Música, a Rua das Flores ou a Mercearia Oriental são alguns dos exemplos do fenómeno de turismo arquitetónico no Porto, que revelam a perda de valores arquitetónicos tradicionais em prol da globalização para receber turistas, contou à Lusa Lúcia Pedro, mestre pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, e autora do recente estudo científico intitulado 'Arquitetura e Espaço Publico do Turismo e do Lazer'.

"Este fenómeno ocorre essencialmente pela necessidade que a cidade tem em estabelecer uma conexão de proximidade cada vez maior com o turista, principalmente internacional. Seja pela necessidade de criar formas que o apelem, como o caso da Casa da Música, assente sobre a ideia de 'marketing' visual, seja pela recriação de espaços de lazer, como o caso dos cafés da Rua das Flores, que se aproximam de uma imagem cada vez mais internacional em detrimento de uma imagem tradicional", conta a arquiteta.

Segundo Lúcia Pedro, a Casa da Música não tem particularidades de arquitetura típica portuguesa.

"É uma arquitetura espetáculo do 'star system'. É uma arquitetura de betão que raramente se vê em Portugal", refere a especialista, afirmando que é um sinal da cidade do Porto que é feito para turistas.

Para contrapor à Casa da Música, a investigadora exemplifica na cidade do Porto o Museu de Serralves, porque integra em si a "vernaculidade portuguesa".

Um outro exemplo do fenómeno a que se assiste na cidade que se transforma para os turistas é a renovada Rua das Flores, onde se perderam as tradicionais tascas portuenses para dar lugar a cafés e bares com uma imagem mais globalizante.

"O típico café e tasca da Rua das Flores perdeu-se em prol de espaços que os turistas se identificam e que se aproximam de uma imagem cada vez mais internacional. Perde-se a singularidade do Porto, mas os turistas ganham uma imagem que reconhecem que se aproximam de uma imagem cada vez mais internacional", explica.

Segundo a arquiteta, a investigação que fez conclui que este fenómeno da adaptação da cidade e da arquitetura ao turismo deve-se "à necessidade de criar espaços onde os turistas se consigam projetar e apropriar com facilidade".

"São imagens confortáveis, conhecidas 'a priori' pelos turistas. Quase que podemos aqui aplicar a definição antropológica dos não lugares a estes novos espaços".

Para a arquiteta, esta mudança nas cidades tem tanto um lado positivo, como um lado negativo.

"Acho que se perde valor nacional, porque se perde a identidade da cidade, mas como vivemos num Mundo globalizado, temos de nos integrar senão morremos. A cidade e a arquitetura têm de se integrar na globalização", conclui.

O estudo científico demonstra que a cidade turística se redefine em função das lógicas de promoção turística resultando daqui "mutações formais, visuais e também das próprias tradições", começando a ser criadas cidades visualmente "consumíveis".

"Não só a cidade produz o turismo como cada vez mais o turismo produz e reproduz a cidade operando essencialmente através da comunicação visual".

A globalização da cidade que se transforma para receber o turista é fruto de uma cada vez maior dependência do setor, observa a arquiteta.

"A cidade parece depender do turismo mais do que nunca, isto porque este se tem revelado, até agora, como a melhor forma de revitalização e reciclagem urbana".

Lusa