sicnot

Perfil

Economia

UTAO alerta que medidas para redução do défice podem não se concretizar

A UTAO alertou esta quinta-feira que algumas das medidas previstas no Programa de Estabilidade para a redução do défice até 2020 podem vir a não ser concretizadas, nomeadamente as poupanças com consumos intermédios e nos juros.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Algumas medidas de consolidação permanentes do Programa de Estabilidade 2016-2020 não se encontram devidamente especificadas e a sua concretização reveste-se de incerteza", afirma a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), na versão final do parecer sobre o Programa de Estabilidade.

No documento, a UTAO refere que o Governo estima uma redução de 1.416 milhões de euros dos custos com consumos intermédios, à qual se somam poupanças setoriais e simplificação administrativa de processos no montante global de 793 milhões de euros, entre 2016-2020.

"Deve referir-se que, colocadas desta forma em termos genéricos, não é possível uma avaliação da sua exequibilidade ou do seu impacto, prejudicando a transparência do exercício orçamental e podendo constituir um risco não negligenciável para a execução orçamental", adverte a UTAO.

Além disso, escrevem os especialistas, as compensações pelo fim da sobretaxa e dos cortes salariais "revestem-se de particular incerteza por motivos diversos: ou porque não se encontram suficientemente especificadas ou porque dependem de hipóteses externas para a sua concretização".

É o caso, por exemplo, da poupança com juros, outra das principais medidas de consolidação entre 2016-2020, que "se encontra fortemente dependente da redução das taxas de juro da dívida pública portuguesa, sendo que não decorre unicamente da ação discricionária das autoridades nacionais, ainda que esteja previsto o pagamento antecipado do empréstimo ao FMI".

Entre 2016 e 2020, o Governo prevê poupar cerca de 1.100 milhões de euros com os juros da dívida pública, uma poupança que, recorda a UTAO, está dependente de "condições de mercado, designadamente a política monetária do Banco Central Europeu e a manutenção da estabilidade política na área do euro".´

Os especialistas afirmam ainda que quanto à consolidação em consumos intermédios e outra despesa corrente, " não só não se encontram devidamente especificadas como, após alguns anos de reduções, será de admitir a existência de pressões para o seu aumento, comprometendo o grau de concretização".

Caso não seja possível concretizar as medidas de consolidação orçamental adicionais, escreve a Unidade, "a orientação da política orçamental poderá vir a assumir uma natureza expansionista, não ficando assegurado o ajustamento estrutural que se encontra definido no âmbito do Semestre Europeu e previsto na Lei de Enquadramento Orçamental".

No Programa de Estabilidade 2016-2020, remetido a Bruxelas em abril, o Governo comprometeu-se com a melhoria do saldo orçamental de um défice de 2,2% do PIB este ano para um excedente de 0,4% do PIB em 2020, uma consolidação orçamental de 2,5 pontos percentuais do PIB, sendo o maior contributo atribuído à despesa, nomeadamente as despesas com pessoal, prestações sociais, consumo intermédio e juros.

Num anexo ao Programa de Estabilidade, remetido à UTAO e à Assembleia da República, depois do envio do documento a Bruxelas, o Governo inscreveu medidas de redução do défice de cerca de 2.000 milhões de euros, sendo a rubrica dos consumos intermédios a que mais pesa, seguindo-se a poupança com os juros da dívida pública.

Lusa

  • Afinal poderá existir Plano B em 2016
    1:33

    Economia

    Tem nomes para todos os gostos: Plano B, Plano de Contingência, documento de trabalho ou anexo secreto. Tratam-se das medidas que o Governo tem em carteira e que já entregou em Bruxelas, mas que nunca disse quais são. Seriam aplicadas em 2017, 2018 e 2019, mas nunca este ano. Pelo menos, até ontem. O país ficou a saber, na antena da SIC e da SIC Notícias, que o Plano B do Governo afinal pode ser aplicado, se necessário ainda em 2016.

  • Costa admite que medidas adicionais podem ser aplicadas já este ano
    2:28

    Economia

    Afinal há mesmo um plano B com medidas adicionais que serão aplicadas já este ano, caso a execução das contas públicas corra mal. A revelação foi feita pelo primeiro-ministro, em entrevista à SIC. Ainda assim, António Costa continua sem explicar as medidas concretas de aumento de impostos e corte de prestações sociais.

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do ultimo album, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.