sicnot

Perfil

Economia

Economia portuguesa cresce 1,1% em termos homólogos no 1º trimestre

A economia portuguesa deverá ter crescido, no primeiro trimestre, 0,3% em cadeia e 1,1% em termos homólogos, sobretudo devido a uma queda nas exportações, segundo a média de previsões dos analistas contactados pela agência Lusa.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga hoje a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais, revelando como se comportou a economia portuguesa no primeiro trimestre deste ano.

No primeiro trimestre, segundo vários centros de estudos económicos contactados pela agência Lusa, o Produto Interno Bruto (PIB) terá crescido entre 0,1% e 0,5% em cadeia e entre 0,8% e 1,3% em termos homólogos.

A estimativa mais pessimista é do Núcleo de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica, que antecipa um crescimento económico de 0,1% em cadeia e de 0,8% em termos homólogos.

"Na prática, significa que o abrandamento da segunda metade do ano passado provavelmente prolongou-se neste primeiro trimestre", disse à agência Lusa o coordenador do NECEP, João Borges de Assunção.

Para o professor da Universidade Católica, existe um "compasso de espera do investimento" e "as exportações perderam um pouco o fulgor", o que significa que, "mesmo que esteja a haver um aumento do consumo isso não chega para compensar as perdas nas outras variáveis".

Por sua vez, o Grupo de Análise Económica do ISEG é ligeiramente mais otimista, antecipando um crescimento de 0,3% face ao quarto trimestre de 2015 e de 1,1% perante o mesmo trimestre do ano passado.

"O consumo privado portou-se bem, teve um crescimento razoável. O investimento, o mais provável é que tenha sido negativo. Mas, no global, a procura interna deve ter crescido de forma razoável, talvez superior ao segundo semestre do ano passado. Mas a procura externa líquida ficou bastante mais negativa, nomeadamente por causa das exportações", afirmou o professor do ISEG António da Ascensão Costa.

Segundo o professor, há um crescimento das importações, nomeadamente de automóveis, mas as exportações "portaram-se muito mal, principalmente as para fora da União Europeia, que valem um terço do total das exportações comerciais. Decresceram 17%. São 550 milhões de euros".

Também o departamento de estudos económicos e financeiros do BPI antecipa, para este primeiro trimestre do ano, um crescimento homólogo de 1,4%, e em cadeia entre 0,3% e 0,4%, também devido às exportações.

"Portugal está neste momento a defrontar uma procura externa que está com algumas dificuldades de crescimento. Existem também problemas em dois parceiros importantes nas exportações, Angola e Brasil. E nos primeiros meses do ano tivemos a desaceleração das exportações de combustíveis refinados, devido a uma paragem temporária de uma refinaria [da Galp]. Tudo fatores que se conjugam para explicar uma eventual desaceleração, ou queda, das exportações", justificou Paula Carvalho.

Mais otimista está o departamento de estudos do Montepio, que prevê um crescimento económico em cadeia de 0,5%, impulsionado por um "crescimento bastante robusto da procura interna", nomeadamente do consumo privado (em torno de 1%) e do investimento em capital fixo (em torno de 2%), afirma o economista-chefe do banco, Rui Serra.

"A contrabalançar estes crescimentos tão elevados da procura interna, basicamente estão as exportações líquidas: as importações terão subido, nomeadamente para alimentar o crescimento da procura interna, mas as exportações caíram. E isso dará um contributo negativo das exportações líquidas para o crescimento do PIB no primeiro trimestre", afirmou.

No quarto trimestre de 2015, segundo divulgou o INE em fevereiro, o PIB registou, em termos homólogos, um aumento de 1,3% e, comparativamente com o trimestre anterior, registou uma variação de 0,2%.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.