sicnot

Perfil

Economia

Miguel Albuquerque defende que a Madeira "tem de abrir-se ao mundo"

O presidente do Governo Regional da Madeira disse hoje que o futuro da Região está "em abrir-se ao mundo" apostando na ciência, tecnologia e inovação porque o turismo e as atividades tradicionais já não são suficientes para as suas necessidades.

"Tudo o que seja internacionalização da Região na área científica, tecnológica e inovação é fundamental para o seu futuro", disse.

Miguel Albuquerque fez esta observação na assinatura do protocolo de cooperação entre a ARDITI - Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação e a APCA - Agência de Promoção da Cultura Atlântica, a Universidade de Paris 2 e a Universidade Aberta para a criação, pela APCA, do Instituto de Altos Estudos para a Globalização, Arte e Tecnologia.

O presidente do Governo Regional salientou ainda que a Madeira tem de "diversificar a sua base produtiva" e "abrir-se ao mundo".

"Nós temos uma região cuja base produtiva e económica é o turismo e um conjunto de atividades tradicionais, que vamos melhorar, mas não tenho nenhuma dúvida que, no futuro, a Região tem um grande potencial na área da tecnologia, inovação, investigação científica e da cultura", vaticinou.

O protocolo hoje assinado define programas de investigação e desenvolvimento em áreas como as indústrias criativas e culturais, a globalização, a tecnologia, as artes e os sistemas de aprendizagem tendo como finalidade a diáspora.

Antes da assinatura do protocolo, Miguel Albuquerque visitou a mostra de carros e outros veículos antigos, na Praça do Povo, organizada pela associação "The Classic Motor Exhibition Funchal Madeira" que conta com o apoio da Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira que decorre até domingo.

Lusa

  • "Oposição angolana deve atualizar-se"
    0:53

    Mundo

    Alexandra Simeão, antiga vice-ministra da Educação em Angola, mostra-se surpreendida com a rapidez das mudanças introduzidas por João Lourenço no país. A analista política disse ainda à SIC que estas mudanças são uma oportunidade para a oposição angolana se profissionalizar e atualizar.

  • "Estamos vivos"
    11:41
  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27