sicnot

Perfil

Economia

Sindicatos rejeitam aplicação faseada das 35 horas aos trabalhadores da função pública

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP) rejeitou hoje a aplicação faseada das 35 horas de trabalho aos funcionários públicos e disse que "há tempo" para resolver eventuais dificuldades até 01 de julho.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

O grupo parlamentar socialista propôs que as 35 horas na função pública, que devem ser repostas de forma generalizada a 01 de julho, entrem em vigor de forma faseada até final do ano, nos serviços em que seja necessário contratar, mas José Abraão sublinhou que esta proposta "não está nem nunca esteve em cima da mesa".

"Foram-nos comunicadas [na última reunião com o Governo] algumas dificuldades em alguns setores como a saúde ou a justiça, mas não podemos aceitar que a aplicação das 35 horas semanais à função pública seja faseada, pois isso significaria que há trabalhadores de primeira e de segunda", disse à Lusa o também vice-secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP).

De acordo com uma norma transitória da proposta socialista de alteração ao projeto de lei das 35 horas semanais na função pública, a que a Lusa teve acesso, "nos órgãos e serviços em que se verifique a necessidade de proceder à contratação de pessoal, a aplicação do tempo normal de trabalho pode ser, em diálogo com os sindicatos, e até 31 de dezembro de 2016, ajustado às necessidades, para assegurar a continuidade e qualidade dos serviços prestados".

O sindicalista reconheceu que "há serviços muito descapitalizados", mas acrescentou que essa situação já era conhecida quando se decidiu aplicar a lei a 01 de julho.

"Isso é um dado adquirido e até lá há tempo para dotar os serviços das condições necessárias para que possam aplicar as 35 horas. Não podemos é aceitar a discriminação de trabalhadores, que seria uma injustiça muito grande", reforçou o responsável do SINTAP e da FESAP.

José Abraão adiantou ainda que o Governo encomendou um estudo para avaliar o impacto da aplicação da lei das 35 horas sobre os serviços da administração pública que os sindicatos "desconhecem completamente".

Os projetos de lei entregues na Assembleia da República pelos restantes partidos da esquerda parlamentar preveem a reposição das 35 horas semanais para toda os trabalhadores em funções públicas na mesma altura, sem qualquer regime transitório.

Os Verdes vão mais longe, e propõem que as 35 horas semanais se apliquem também ao setor privado.

O horário de trabalho na Função Pública aumentou de 35 horas para 40 horas semanais em setembro de 2013, sem correspondente aumento de salário, tendo a medida sido viabilizada pelo Tribunal Constitucional.

A votação final global do diploma que repõe as 35 horas de trabalho dos funcionários públicos ficou marcada para dia 27 de maio, depois da garantia dada pelo primeiro-ministro, António Costa, de que o diploma entraria em vigor a 01 de julho.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.