sicnot

Perfil

Economia

Investimento na Corticeira Amorim permite acabar com "sabor a rolha" no vinho

Um investimento de 10 milhões de euros permitiu à Corticeira Amorim desenvolver uma tecnologia inovadora que em 20 segundos deteta a presença nas rolhas de cortiça de um composto químico (TCA) associado a desvios sensoriais nos vinhos.

Pedro Sadio

"NDTech é uma tecnologia de ponta que possibilita uma revolução em termos de controlo de qualidade, na medida em que introduz pela primeira vez uma triagem individual nas linhas de produção das rolhas de cortiça, baseada em cromatografia gasosa, uma das análises químicas mais sofisticadas do mundo", refere a empresa em comunicado.

Segundo explica, "tradicionalmente, cada análise de cromatografia gasosa demora cerca de 14 minutos", mas com este desenvolvimento -- feito em parceria com uma empresa internacional especializada - a Corticeira Amorim "conseguiu reduzir o tempo desta análise para cerca de 20 segundos, viabilizando a sua integração numa escala industrial".

Como resultado, a corticeira passou a disponibilizar no mercado "rolhas de cortiça natural com garantia de TCA não detetável", que garantem "um controlo sensorial irrepreensível".

Segundo a Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR), o TCA é um composto químico vulgarmente presente na natureza e pode ser encontrado na madeira, no vinho, na água, no solo, em frutas, legumes e, também, na cortiça.

"É um produto exógeno ao vinho, à madeira e à rolha de cortiça, mas se estiver presente na atmosfera e entrar em contacto com as barricas, as rolhas de cortiça ou mesmo o vinho, é facilmente absorvido", lê-se no sítio da APCOR na Internet.

De acordo com o grupo de Mozelos, Santa Maria da Feira, que é líder mundial no setor das rolhas de cortiça, a tecnologia NDTech assegura "uma precisão incrível", sendo capaz de detetar "qualquer rolha de cortiça que apresente mais de 0,5 nanogramas/litro (partes por trilião) de TCA, removendo-a automaticamente da linha de produção".

"Este nível de precisão numa escala industrial é surpreendente, tendo em conta que o limiar de deteção de 0,5 nanogramas/litro pode ser o equivalente a uma gota de água em 800 piscinas olímpicas", explica.

Segundo a Corticeira Amorim, o desempenho da NDTech "está a ser validado por entidades líderes mundiais em investigação associada à indústria do vinho -- a Geisenheim University, na Alemanha, e o Australian Wine Research Institute --, o que faz dela "a única tecnologia de controlo individual de qualidade do TCA alvo de validação científica por parte de ambas as organizações".

Esta nova tecnologia será inicialmente aplicada à gama de rolhas naturais 'premium' da corticeira, que são utilizadas "por algumas das marcas de vinho mais importantes do mundo, incluindo as principais marcas nacionais".

Até agora, revela, a recetividade dos produtores de vinho tem sido "muito positiva, tendo em conta a importância da rolha natural no 'packaging premium' [embalagem de qualidade superior] de vinhos, muito valorizada em mercados-chave para a exportação, como os EUA ou a China".

"O desenvolvimento de NDTech é o culminar de um conjunto de medidas que visam um controlo sensorial irrepreensível da rolha de cortiça natural, considerada, desde há muito, o 'benchmark' de vedantes e o que mais valor acrescentado cria para o vinho. A tecnologia será ainda complementada pelas medidas preventivas e curativas já existentes na Corticeira Amorim, incluindo o patenteado tratamento ROSA Evolution", acrescenta a empresa.

Para o presidente e administrador executivo da Corticeira Amorim, António Rios de Amorim, a "aposta contínua" da empresa no reforço da qualidade das rolhas de cortiça tem sido "determinante" na consolidação da sua liderança na indústria e no aumento, nos últimos cinco anos, das vendas de três mil milhões de rolhas para um número recorde de 4,2 mil milhões em 2015.

"Este crescimento resulta, em parte, de uma maior perceção generalizada das vantagens técnicas e de sustentabilidade da rolha de cortiça, assim como da capacidade que esta tem de aportar valor ao vinho. Com NDTech, simplesmente tornamos melhor aquele que já é o melhor vedante para vinho", conclui.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59