sicnot

Perfil

Economia

Arménio Carlos diz que 35 horas "tem de ser para todos"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje que o regresso às 35 horas de trabalho "tem de ser para todos", recusando a possibilidade desta medida abranger apenas alguns trabalhadores.

JOS\303\211 COELHO

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou terça-feira que o regresso às 35 horas "abrange apenas uma parte dos trabalhadores em funções públicas", já que algumas classes profissionais "têm horários de trabalho próprios", tendo a medida "um impacto nulo" nestes casos.

O governante falava na comissão parlamentar do Trabalho e Segurança Social, tendo também afirmado que o regresso às 35 horas na função pública tem "custos localizados" em serviços específicos da administração pública, cuja acomodação "requer um período de adaptação".

Questionado sobre esta matéria quando participava numa marcha com trabalhadores da indústria têxtil em Vila Nova de Famalicão, Arménio Carlos exigiu que o compromisso que entra em vigor a 01 de julho seja "para todos".

"É um compromisso, há que cumprir os compromissos, tal como já se cumpriram outras promessas. Não se justifica que um trabalhador com vínculo de nomeação e um trabalhador com vínculo de funções públicas não tenham os mesmos direitos e, neste caso, o mesmo horário de trabalho", disse o secretário-geral da CGTP.

Arménio Carlos apontou que "não faz sentido que um trabalhador trabalhe 35 horas e um trabalhador ao lado trabalhe 40" quando estes "prestam o mesmo serviço e são obrigados a cumprir um conjunto de deveres que são idênticos".

"Têm de ter os mesmos direitos", concluiu Arménio Carlos, reiterando que o problema se resolve de forma "simples".

"Aplique-se a 35 horas a todos os trabalhadores sem exceção e damos um passo em frente para que de seguida possamos também reclamar e reivindicar que no mais curto espaço de tempo as 35 horas possam ser alargadas aos trabalhadores do setor privado até porque essa é a melhor forma de criar mais emprego e combater o desemprego", disse.

O líder da CGTP rejeitou possíveis argumentos financeiros para esta medida, apontando que existem outras áreas onde podem ser analisadas "despesas dispersas e supérfluas", nomeadamente a divida pública, as parcerias público-privadas, bem como os 'swap' (produtos financeiros associados a empréstimos bancários).

Lusa

  • CGTP pede ao Governo que cumpra o que prometeu relativamente às 35 horas
    0:49

    País

    Em dia de manifestação da CGTP em Lisboa, Arménio Carlos avisou o Governo da promessa da reposição das 35 horas de trabalho semanais para a Função Pública. Para o secretário geral da CGTP a questão é central. Arménio diz que as promessas têm de ser cumpridas e a palavra tem de ser honrada sem mais negociações para que a lei seja aplicada a todos os funcionários públicos até dia 1 de julho.

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.