sicnot

Perfil

Economia

Arménio Carlos diz que 35 horas "tem de ser para todos"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje que o regresso às 35 horas de trabalho "tem de ser para todos", recusando a possibilidade desta medida abranger apenas alguns trabalhadores.

JOS\303\211 COELHO

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou terça-feira que o regresso às 35 horas "abrange apenas uma parte dos trabalhadores em funções públicas", já que algumas classes profissionais "têm horários de trabalho próprios", tendo a medida "um impacto nulo" nestes casos.

O governante falava na comissão parlamentar do Trabalho e Segurança Social, tendo também afirmado que o regresso às 35 horas na função pública tem "custos localizados" em serviços específicos da administração pública, cuja acomodação "requer um período de adaptação".

Questionado sobre esta matéria quando participava numa marcha com trabalhadores da indústria têxtil em Vila Nova de Famalicão, Arménio Carlos exigiu que o compromisso que entra em vigor a 01 de julho seja "para todos".

"É um compromisso, há que cumprir os compromissos, tal como já se cumpriram outras promessas. Não se justifica que um trabalhador com vínculo de nomeação e um trabalhador com vínculo de funções públicas não tenham os mesmos direitos e, neste caso, o mesmo horário de trabalho", disse o secretário-geral da CGTP.

Arménio Carlos apontou que "não faz sentido que um trabalhador trabalhe 35 horas e um trabalhador ao lado trabalhe 40" quando estes "prestam o mesmo serviço e são obrigados a cumprir um conjunto de deveres que são idênticos".

"Têm de ter os mesmos direitos", concluiu Arménio Carlos, reiterando que o problema se resolve de forma "simples".

"Aplique-se a 35 horas a todos os trabalhadores sem exceção e damos um passo em frente para que de seguida possamos também reclamar e reivindicar que no mais curto espaço de tempo as 35 horas possam ser alargadas aos trabalhadores do setor privado até porque essa é a melhor forma de criar mais emprego e combater o desemprego", disse.

O líder da CGTP rejeitou possíveis argumentos financeiros para esta medida, apontando que existem outras áreas onde podem ser analisadas "despesas dispersas e supérfluas", nomeadamente a divida pública, as parcerias público-privadas, bem como os 'swap' (produtos financeiros associados a empréstimos bancários).

Lusa

  • CGTP pede ao Governo que cumpra o que prometeu relativamente às 35 horas
    0:49

    País

    Em dia de manifestação da CGTP em Lisboa, Arménio Carlos avisou o Governo da promessa da reposição das 35 horas de trabalho semanais para a Função Pública. Para o secretário geral da CGTP a questão é central. Arménio diz que as promessas têm de ser cumpridas e a palavra tem de ser honrada sem mais negociações para que a lei seja aplicada a todos os funcionários públicos até dia 1 de julho.

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.