sicnot

Perfil

Economia

Australianos investem 6,2 M€ na mina do maior diamante de Angola

A multinacional australiana Lucapa vai investir sete milhões de dólares (6,2 milhões de euros) no reforço da produção diamantífera na mina do Lulo, província angolana da Lunda Norte, onde encontrou o maior diamante de Angola.

Reuters

Em comunicado, a que a Lusa teve hoje acesso, a Lucapa, que opera a mina, explica que o investimento visa "desenvolver e atualizar" a produção, após a conclusão do registo da Sociedade Mineira do Lulo, e envolve a compra de maquinaria pesada.

Na mina do Lulo foi encontrado em fevereiro o maior diamante de Angola e 27.º maior do mundo, com 404,2 quilates, cuja venda em bruto rendeu 16 milhões de dólares (14,2 milhões de euros).

A operação naquela mina arrancou em agosto de 2015, numa parceria da Lucapa (40%) com a estatal angolana do setor diamantífero Endiama (32%) e os privados da Rosas & Pétalas (28%).

A empresa anuncia no mesmo comunicado a mobilização de especialistas para planificar novos trabalhos e um programa de perfuração do kimberlito da mina a três anos, dependente da aprovação do Ministério da Geologia e Minas de Angola, que pode arrancar em junho.

Entretanto, a Lucapa anunciou num outro comunicado que foi indicado para o cargo de diretor-geral daquela mina Richard Barnes, especialista na indústria mineira e que trabalha no setor diamantífero angolano há 15 anos.

Esta mina está localizada a 150 quilómetros de Catotaca, na mesma província e a quarta maior do mundo, operada pelos russos da Alrosa e responsável por 75% da produção angolana, país que é quinto maior produtor do mundo.

Após seis anos de prospeção na zona, a exploração no Lulo arrancou em 2015, no âmbito de um contrato para a concessão da produção naquela área (238 quilómetros quadrados), incluindo mais de 50 quilómetros ao longo do rio Cacuilo, válido por 35 anos.

Na fase anterior, a Lucapa tinha já anunciado a descoberta de diamantes de grandes de dimensões, o maior dos quais de 133,4 quilates.

Anteriormente, na fase de prospeção que se prolongou durante seis anos, a empresa extraiu da área do Lulo 876,5 quilates, trabalhos que renderam, por si só, seis milhões de dólares (5,3 milhões de euros).

Os diamantes constituem o segundo principal produto de exportação por Angola, a seguir ao petróleo.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.