sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas exige esforço adicional para garantir défice de 2,3%

Bruxelas exige esforço adicional para garantir défice de 2,3%

Portugal vai ter de tomar mais medidas, já este ano, para garantir um défice de 2,3 por cento. Bruxelas quer um esforço adicional que deverá rondar os 720 milhões de euros. Quanto às sanções, por ter furado o défice em 2015, a decisão fica adiada para julho.

  • Portugal terá de apresentar medidas adicionais de mais de 700 M€
    0:47

    Economia

    A Comissão Europeia exige que o défice deste ano baixe para os 2,3% do PIB. Pelas contas de Bruxelas, isto implicará um esforço adicional de 4 décimas, ou seja, as medidas a apresentar deverão valer mais de 700 milhões de euros. Ficam também definidas novas metas para a redução do défice estrutural. Foram anunciadas pelo vice-presidente da Comissão Europeia, que diz que este pacote de medidas adicionais não será determinante para a decisão sobre as sanções, que levará apenas em conta o défice de 2015.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.