sicnot

Perfil

Economia

Costa desvaloriza pedido de Bruxelas de mais austeridade

Costa desvaloriza pedido de Bruxelas de mais austeridade

O primeiro-ministro desvaloriza o pedido de Bruxelas para que Portugal aplique mais austeridade. Em tom irónico, António Costa diz mesmo que as declarações da Comissão Europeia revelam tranquilidade quanto ao rumo que o Governo está a seguir.

"As previsões da Comissão têm estado em evolução, aliás positiva. Começaram em 3,4, já vão em 2,7, diz agora que temos de alcançar uma meta de 2,3. A nossa meta no Orçamento, com as medidas que já temos é de 2,2. Nós continuamos tranquilos sobre a forma como o Orçamento tem vindo a ser executado. Não encaramos a necessidade de medidas adicionais para alcançar o objetivo que nos propomos, quanto mais para alcançar um objetivo menos ambicioso", afirmou António Costa.

O chefe de Governo disse estar convicto de "que se tudo continuar a correr normalmente" na economia e na execução orçamental, em julho a Comissão estará "a dar um novo passo de aproximação" às previsões do executivo português.

À entrada para uma exposição no Museu de Arqueologia, António Costa reagia ao anúncio da Comissão Europeia de manter Portugal sob Procedimento por Défice Excessivo (PDE), recomendando ao Governo que avance com uma correção duradoura do défice até 2017 e prometendo voltar a olhar para a situação do país em julho.

"A convicção que nós temos é que em julho, tal como tem acontecido até agora, a Comissão verificará que a nossa execução orçamental reforça a confiança no objetivo a que nos propusemos, sem necessidade de medidas complementares", afirmou.

Sobre as afirmações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na terça-feira, segundo as quais a conjuntura pode obrigar à revisão de previsões económicas, o primeiro-ministro não se quis alongar em comentários, dizendo apenas: "Não vale a pena estarmos em jogos de especulação sobre previsões".

António Costa disse que os dados da execução orçamental dão conforto ao Governo, que está também confortável com as medidas para alcançar um défice de 2,2 por cento do PIB.

"Se temos conforto para 2,2, por maioria de razão, temos para os 2,3", frisou.

Questionado se vai tomar medidas até julho, Costa respondeu que o Governo vai executar o seu Orçamento, o que é "fazer muito", já que é "exigente e muito ambicioso".

Confrontado com a interpretação de que a Comissão adiou uma decisão devido às eleições em Espanha, o chefe de Governo disse não querer acreditar nessa possibilidade.

"Não me passaria pela cabeça que a Comissão fizesse uma gestão política das suas comunicações. A interpretação que eu faço é que a Comissão simplesmente considera que a situação não é dramática, não exige nenhum dramatismo nem nenhuma medida urgente e que tem tempo para em julho voltarmos a falar sobre esta matéria", declarou.

Ainda questionado sobre a questão das 35 horas, o primeiro-ministro disse já tinham sido prestados esclarecimentos sobre essa questão.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos indicou hoje que a Comissão Europeia decidiu propor que seja dado "mais um ano, e apenas mais um ano" a Portugal para colocar o seu défice abaixo dos 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Na conferência de imprensa de apresentação das decisões hoje tomadas pelo executivo comunitário no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas, Pierre Moscovici comentou, relativamente à "muita especulação" em torno de eventuais sanções a Espanha e Portugal, que a Comissão concluiu que "este não é o momento certo, económica ou politicamente, para tomar esse passo", mas frisou que a situação voltará a ser analisada "no início de julho".

Hoje, frisou, a Comissão preferiu concentrar-se no que "é mais premente", ou seja, dar orientações orçamentais a ambos os países, no sentido de levarem a cabo "esforços estruturais que são exigentes", mas que Bruxelas considera "realistas", com vista à redução do défice, devendo Espanha e Portugal ter um ano suplementar para corrigir o défice excessivo, até 2017 e 2016, respetivamente.

Com Lusa

  • Portugal terá de apresentar medidas adicionais de mais de 700 M€
    0:47

    Economia

    A Comissão Europeia exige que o défice deste ano baixe para os 2,3% do PIB. Pelas contas de Bruxelas, isto implicará um esforço adicional de 4 décimas, ou seja, as medidas a apresentar deverão valer mais de 700 milhões de euros. Ficam também definidas novas metas para a redução do défice estrutural. Foram anunciadas pelo vice-presidente da Comissão Europeia, que diz que este pacote de medidas adicionais não será determinante para a decisão sobre as sanções, que levará apenas em conta o défice de 2015.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.