sicnot

Perfil

Economia

Dívida externa líquida desce para 99,4% do PIB em março

A dívida externa líquida alcançou, no final de março, os 179,8 mil milhões de euros, o que representa uma redução de 2,4 mil milhões de euros face a 2015, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

Segundo o BdP, esta evolução "deveu-se sobretudo ao contributo das variações de preço" e representa, em percentagem do PIB, uma redução de 101,5% para 99,4%.

De acordo com os dados divulgados, no final de março, a Posição de Investimento Internacional (PII) foi negativa em 194,7 mil milhões de euros (-107,7% do PIB), o que traduz uma variação positiva de 1,7 pontos percentuais em relação ao final de 2015.

"Os ativos líquidos de Portugal face ao exterior aumentaram 1,4 mil milhões de euros, principalmente pelo contributo das variações de preço", refere a instituição.

Em particular, o BdP destaca "o efeito combinado da valorização da cotação do ouro, detido pelo banco central, e da desvalorização das obrigações do Tesouro emitidas pelas administrações públicas, detidas por não residentes".

As variações cambiais, por sua vez, foram negativas em 939 milhões de euros e resultaram essencialmente da depreciação do dólar.

"O contributo das transações foi marginal e negativo para a variação da PII nos três primeiros meses do ano, por comparação com o final de 2015", acrescenta.

Lusa

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.