sicnot

Perfil

Economia

Ministro da Economia diz não haver razões para Portugal ser penalizado pela Comissão Europeia

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse hoje que não há razões para Portugal ser penalizado pela Comissão Europeia por ainda não ter encerrado o Procedimento por Défice Excessivo (PDE), considerando que "está-se a exagerar este assunto".

ANDR\303\211 KOSTERS

"Não houve nenhum adiar de sanções. Não há nenhum problema de sanções iminente. O que temos é uma situação que é normal de avaliação da Comissão Europeia", disse o ministro, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Centro Tecnológico da Cortiça, em Santa Maria da Feira.

Instado a comentar o facto de Portugal continuar sob PDE, Caldeira Cabral referiu que "a Comissão Europeia está a aproximar-se da posição de Portugal", admitindo que o défice português este ano "vai ficar claramente abaixo dos 3%".

"Os números da execução orçamental estão a correr bem e penso que vamos convencer e conseguir demonstrar à Comissão Europeia que Portugal está no bom caminho e que não tem razão nenhuma para se preocupar", afirmou.

O governante realçou ainda que, nos últimos três anos, mais de metade dos países da União Europeia tiveram um défice acima dos 3% e não houve, até hoje, nenhumas sanções.

"Não podemos aceitar este contexto que se quer criar exagerado. É um contexto completamente fora do que é razoável. Portugal fez um esforço muito grande e está a ter bons resultados", disse o ministro.

Caldeira Cabral referiu ainda que a avaliação da Comissão Europeia "demonstra a confiança no atual Governo para um continuar do processo de melhoramento das contas públicas".

A Comissão Europeia decidiu hoje manter Portugal sob PDE, recomendando ao Governo que avance com uma correção duradoura do défice até 2017 e prometendo voltar a olhar para a situação do país em julho.

Assim, Bruxelas recomenda que Portugal avance com uma "correção duradoura do défice excessivo em 2016 e 2017, tomando as medidas estruturais necessárias e usando todos os ganhos para a redução do défice e da dívida", lê-se numa nota de enquadramento sobre as recomendações específicas por país divulgada hoje pela Comissão Europeia.

Ainda assim, e conforme previsto no PDE, a Comissão volta a analisar a situação portuguesa no "início de julho", o que significa que a decisão em torno de eventuais penalizações a Portugal foi adiada para essa altura.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41