sicnot

Perfil

Economia

Reserva Federal admite provável subida das taxas de juro em junho

A maioria dos membros da Reserva Federal (Fed) admite a possibilidade de uma subida das taxas de juro em junho se a economia norte-americana continuar a melhorar, indicam as atas da reunião de abril, divulgadas hoje.

"A maioria dos participantes considerou que se o crescimento for consistente no segundo trimestre, se o mercado laboral continuar a reforçar-se e se a inflação alcançar progressos em relação ao objetivo de 2% pode ser apropriada uma subida das taxas de juro em junho", indicam as atas da reunião de política monetária do banco central que decorreu a 26 e 27 de abril.

Segundo o documento, alguns participantes disseram que os mercados podem não estar à espera desse ajustamento monetário e defenderam que se deve "comunicar claramente" as intenções do banco central.

Na discussão foram também apontados como riscos externos o referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), que terá lugar a 23 de junho, e a instabilidade financeira associada à transição económica na China.

As taxas de juro de referência nos Estados Unidos estão entre 0,25% e 0,50%, depois da subida decidida em dezembro passado, a primeira em quase dez anos.

A próxima reunião da Fed será a 14 e 15 de junho e no final está prevista

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15