sicnot

Perfil

Economia

Bayer confirma conversações com Monsanto sobre possível compra da multinacional

O grupo farmacêutico e químico alemão Bayer confirmou hoje, em comunicado, a informação difundida previamente pela multinacional norte-americana de biotecnologia Monsanto de que as empresas encontravam-se em conversações relativas à compra pela companhia alemã.

© Ina Fassbender / Reuters

"Representantes da Bayer reuniram-se recentemente com membros da gerência da companhia Monsanto para falar, confidencialmente, sobre uma aquisição de comum acordo", assinala o grupo alemão no seu comunicado.

O documento recorda que a tal fusão "reforçaria a Bayer como empresa global de inovação em ciências da vida, com posições de liderança nas suas atividades principais, além de criar uma condição de cultivo integrado".

O grupo alemão assinala ainda que o seu comunicado responde à declaração difundida pela Monsanto relativa à proposta da Bayer e que, caso seja necessário, publicará informação adicional.

Por sua vez, o grupo Monsanto, divulgou um documento no qual assegurava que tinha recebido uma oferta de aquisição por parte da Bayer, mas evitou revelar o valor da mesma, avançado tratar-se de uma "proposta não vinculante e não solicitada".

A Bayer iniciou discussões internamente e com os seus conselheiros sobre a compra da empresa norte-americana Monsanto, que tem uma capitalização de 42.000 milhões de dólares (37,443 milhões de euros).

A multinacional Monsanto tem estado relacionada, nos últimos tempos, com noticias muito controversas, dado que vários países europeus estão contra a utilização do glifosato, substância muito utilizada nos pesticidas, designadamente do Round Up, do grupo Monsanto, e que, segundo alguns especialistas, é suspeita de ser cancerígena.

Na quarta-feira, os grupos parlamentares de PCP, CDS-PP e PSD chumbaram o projeto de lei do BE, que proibia o uso do herbicida glifosato em espaços urbanos, enquanto PS, PEV e PAN votaram favoravelmente, ao lado dos bloquistas.

Em abril, o Parlamento Europeu defendeu a renovação da autorização para comercializar glifosato por somente sete anos, contra os 15 anos inicialmente previstos.

Várias organizações, nomeadamente ambientalistas e, em Portugal, partidos como o ecologista Os Verdes ou o Partido Pessoas Animais Natureza (PAN), além do BE, têm pedido a proibição da venda de pesticidas com glifosato.

Uma petição a decorrer em Portugal contra o uso de glifosato tem já mais de 15 mil assinaturas.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.