sicnot

Perfil

Economia

CGD passa de lucro a prejuízo de 74 M€ no primeiro trimestre

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) registou um resultado líquido negativo de 74,2 milhões de euros entre janeiro e março, quando tinha obtido um lucro de 2,1 milhões de euros em igual período de 2015.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Esta evolução está em grande parte relacionada com os resultados de operações financeiras, que passaram de 94 milhões de euros positivos nos primeiros três meses de 2015 para 97,3 milhões de euros negativos no primeiro trimestre deste ano, devido à "elevada volatilidade sentida nos mercados financeiros internacionais", informou o banco público.

Mais especificamente, estão em causa as perdas nas operações de cobertura de risco da taxa de juro ('swap') feitas pela CGD para a dívida pública portuguesa.

As comissões líquidas caíram 8,5% para 115,6 milhões de euros, refletindo "a forte pressão concorrencial e regulamentar sobre a cobrança de comissões", explicou o banco liderado por José de Matos.

Já a margem financeira estrita subiu 9,8% para 282 milhões de euros, beneficiando da redução do custo de financiamento (-20,7% para 411,1 milhões de euros), e ultrapassando a redução sentida nos juros de operações ativas (-10,6% para 693,1 milhões de euros).

Assim, o produto bancário gerado pela CGD no trimestre alcançou 305,6 milhões de euros, menos 39% do que em igual período do ano passado, tendo sido fortemente influenciado pela evolução negativa dos resultados de operações financeiras.

Quanto aos custos operativos, houve uma redução homóloga de 5,5% para 303,7 milhões de euros, "beneficiando da contenção sentida nos custos com pessoal (-4,7%) em que já é visível o impacto inicial do programa Plano Horizonte, bem como da redução nos gastos administrativos (-5,2%) e nas amortizações (-12,3%)", sublinhou o banco estatal.

Deste modo, apesar da evolução positiva na margem financeira e nos custos operativos, o resultado bruto de exploração alcançou 1,9 milhões de euros no primeiro trimestre do ano devido ao impacto dos resultados de operações financeiras.

As provisões e imparidades criadas no período em causa reduziram-se em 25,4% para 84,2 milhões de euros. Já no acumulado do balanço este valor teve uma subida homóloga de 17% para 988 milhões de euros.

Nota para o relevante contributo da atividade internacional para o resultado líquido consolidado da CGD, que ascendeu a 40 milhões de euros (mais 79% do que no primeiro trimestre de 2015).

A atividade dos bancos do grupo em Macau (18,7 milhões de euros), França (11,6 milhões de euros), Espanha (4,2 milhões de euros) e Moçambique (2,5 milhões de euros) representou 92,5% do resultado líquido da atividade internacional.

O rácio de transformação (crédito sobre depósitos) fixou-se nos 88,5% no final de março.

O rácio 'common equity tier 1' (CET1) 'phased in' (em transição para as novas regras) foi de 10,4% (contra 10,9% em igual período do ano passado) e o CET1 'fully implemented' (com implementação total) foi de 9,6% (contra 10,3% no primeiro trimestre de 2015).

De resto, uma das questões que o banco público ainda tem por resolver está relacionada com os instrumentos de capital contingente (as chamadas 'CoCo bonds') subscritos pelo Estado.

Em 2012, para recapitalizar a CGD, o Estado injetou 750 milhões de euros diretamente em ações e ainda 900 milhões em instrumentos de capital contingente, dívida pela qual o banco público paga juros anuais.

Até ao momento a Caixa ainda não fez qualquer devolução desta dívida, nem há qualquer previsão de o fazer. Se o banco não fizer esse pagamento até 2017, estes instrumentos transformam-se em ações.

Atualmente há uma discussão sobre a necessidade de o Estado (único acionista) fazer um aumento de capital na CGD, operação que está a ser discutida entre o Governo e a Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia.

O problema é que Bruxelas considera que um aumento de capital pelo Estado - mesmo sendo o Estado o único acionista - é uma ajuda de Estado, o que implicaria uma nova reestruturação do banco, com redução do seu negócio e cortes de pessoal, o que é contestado pelo Governo.

Lusa

  • Milhares de clientes da CGD foram vítimas de burla
    1:40

    País

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos foram vítimas de burla com cartões de crédito da rede VISA. Os burlões ligavam para as vítimas a dizer que os cartões tinham sido clonados e, pediam aos clientes para cortar o cartão ao meio, mas para manterem o chip intacto. A rede criminosa enviava um estafeta a casa dos clientes para ir buscar os cartões, que depois eram usados para fazer compras no Brasil. A Caixa Geral de Depósitos e a rede VISA garantem que nenhum cliente afetado pela burla vai perder o dinheiro.

  • Cristas defende capitalização da CGD
    0:25

    Economia

    No arranque do Conselho Nacional do CDS que decorre na Mêda, Guarda, Assunção Cristas disse aguardar que a Caixa Geral de Depósitos venha a ser recapitalizada exclusivamente com dinheiros públicos. Deverá ser essa a grande missão do novo presidente.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.