sicnot

Perfil

Economia

Cancelados oito voos de ligação entre Portugal e França

Oito voos com partidas e chegadas a aeroportos portugueses com proveniência ou destino a França, onde decorre uma greve de controladores aéreos, estão hoje cancelados de acordo com o site online da ANA - Aeroportos de Portugal.

(Lusa)

(Lusa)

MARIO CRUZ

Os voos das 12:00 e das 19:30 com partida do aeroporto internacional de Lisboa e destino ao de Orly encontram-se cancelado, de acordo com a informação disponibilizada, pelas 7:45, na página online da ANA.

Também os voos com chegada prevista a Lisboa provenientes do aeroporto francês de Beauvais (12:10) e de Orly (12:20, 17:35 e 18:45) estão igualmente com a informação de cancelamento.

Em relação ao aeroporto Sá Carneiro, no Porto, apenas dois voos estão afetados, nomeadamente um que parte com destino a Lille, pelas 11:35, e um outro com proveniência de Tours, Val de Loire.

Na quarta-feira, a associação Airlines for Europe (A4E), que reúne várias companhias aéreas, pediu à União Europeia (UE) para que proteja os direitos dos passageiros, na véspera de uma nova greve dos controladores aéreos franceses.

Trata-se da quarta greve em menos de dois meses dos controladores aéreos franceses, que desde 2009 já convocaram 49 paralisações, segundo a A4E.

Em comunicado, o diretor-geral desta associação, Thomas Reynaert, pediu à Comissão Europeia e Estados-membros da UE para "atuarem e protegerem os direitos de milhões de passageiros europeus" afetados por greves "repetidas e desproporcionadas".

Segundo a agência Efe, a greve de hoje dos controladores aéreos em França, contra a reforma laboral, deverá provocar atrasos durante pelo menos 24 horas, cancelamentos e desvios.

A Lusa tentou contactar com a ANA, para apurar se estes cancelamentos estão diretamente relacionados com a greve dos controladores aéreos franceses, mas sem sucesso.

Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.