sicnot

Perfil

Economia

FMI volta a Lisboa em junho para nova avaliação a Portugal

O FMI volta a Portugal em junho para realizar a quarta missão de monitorização pós-programa, cujos trabalhos vão decorrer ao mesmo tempo que os do Artigo IV, que prevê análises regulares às economias que fazem parte do Fundo.

O anúncio foi feito hoje pelo porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI), Gerry Rice, em conferência de imprensa na sede da instituição liderada por Christine Lagarde, em Washington.

Questionado sobre as perspetivas para a avaliação que será levada a cabo pela equipa técnica do FMI em Lisboa, tendo em conta que Portugal continua sem cumprir as metas do défice orçamental, Rice apenas se limitou a afirmar que "em algumas semanas haverá a consulta a Portugal ao abrigo do Artigo IV" e que, nessa altura, o Fundo, vai "levar em consideração todos estes assuntos e muitos mais".

"Todas as questões serão respondidas nessa altura", afirmou Rice.

Fonte do FMI acrescentou à Lusa que os técnicos do Fundo vão estar em Lisboa durante duas semanas, um período mais longo do que o habitual, de 15 a 30 de junho, uma vez que, desta vez, vão combinar os trabalhos das missões de monitorização pós-programa e do Artigo IV.

A equipa e os economistas do FMI vão visitar o país em junho para avaliar os desenvolvimentos económicos e financeiros e encontrar-se com o Governo e representantes oficiais do Banco de Portugal.

O Governo português anunciou esta semana que já tem autorização para fazer o reembolso antecipado ao FMI de 6.600 milhões de euros. O FMI, contudo, não informou se já tem alguma previsão de quando irá receber aquele montante.

A 30 de março, o Conselho de Administração do FMI concluiu o terceiro processo de monitorização pós-programa de Portugal e divulgou que as condições macroeconómicas "altamente acomodatícias" geraram um crescimento apenas modesto face aos impedimentos estruturais remanescentes.

Em 2015, as baixas taxas de juro, a debilidade do euro e os baixos preços do petróleo permitiram que o crescimento chegasse a 1,5%. O PIB deve crescer apenas 1,4% neste ano e moderar-se, recuando para 1,2% no médio prazo, previu na informação divulgada na ocasião.

Ao que parece, "Portugal não alcançou a meta do défice orçamental de 2015", informou o comunicado de março. O corpo técnico estima um défice de 4,4% do PIB para o ano inteiro, em comparação com a meta do orçamento de 2,7%.

No entanto, os diretores executivos louvaram a "bem-sucedida estabilização" da economia portuguesa no âmbito do programa apoiado pelo Fundo, que abriu caminho para a recuperação em curso e para uma queda no desemprego.

No final de março, os diretores do FMI observaram que, embora o sistema bancário de Portugal tenha evoluído, mais esforços eram necessários para fortalecer os balanços dos bancos.

O relatório já realçava que o avanço continuado nas reformas estruturais seria "crucial para reforçar as perspetivas de crescimento no médio prazo, o emprego e o rendimento".

A última consulta a Portugal ao abrigo do Artigo IV foi divulgada em maio de 2015 quando o Conselho de Administração do Fundo louvou as autoridades portuguesas pelas conquistas alcançadas ao longo dos últimos anos "em termos de melhoria do saldo orçamental e da balança corrente, preservação da estabilidade financeira e reconquista do acesso aos mercados".

Na ocasião, louvaram também a decisão das autoridades de antecipar o reembolso do empréstimo do FMI.

Observaram, porém, que a recuperação em curso é ainda "demasiado modesta para reconduzir o produto e o emprego aos níveis anteriores à crise no futuro próximo" e ressaltaram que a prioridade mais importante para Portugal continuava a ser "restaurar o equilíbrio interno sem enfraquecer a posição externa do país".

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.