sicnot

Perfil

Economia

FMI volta a Lisboa em junho para nova avaliação a Portugal

O FMI volta a Portugal em junho para realizar a quarta missão de monitorização pós-programa, cujos trabalhos vão decorrer ao mesmo tempo que os do Artigo IV, que prevê análises regulares às economias que fazem parte do Fundo.

O anúncio foi feito hoje pelo porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI), Gerry Rice, em conferência de imprensa na sede da instituição liderada por Christine Lagarde, em Washington.

Questionado sobre as perspetivas para a avaliação que será levada a cabo pela equipa técnica do FMI em Lisboa, tendo em conta que Portugal continua sem cumprir as metas do défice orçamental, Rice apenas se limitou a afirmar que "em algumas semanas haverá a consulta a Portugal ao abrigo do Artigo IV" e que, nessa altura, o Fundo, vai "levar em consideração todos estes assuntos e muitos mais".

"Todas as questões serão respondidas nessa altura", afirmou Rice.

Fonte do FMI acrescentou à Lusa que os técnicos do Fundo vão estar em Lisboa durante duas semanas, um período mais longo do que o habitual, de 15 a 30 de junho, uma vez que, desta vez, vão combinar os trabalhos das missões de monitorização pós-programa e do Artigo IV.

A equipa e os economistas do FMI vão visitar o país em junho para avaliar os desenvolvimentos económicos e financeiros e encontrar-se com o Governo e representantes oficiais do Banco de Portugal.

O Governo português anunciou esta semana que já tem autorização para fazer o reembolso antecipado ao FMI de 6.600 milhões de euros. O FMI, contudo, não informou se já tem alguma previsão de quando irá receber aquele montante.

A 30 de março, o Conselho de Administração do FMI concluiu o terceiro processo de monitorização pós-programa de Portugal e divulgou que as condições macroeconómicas "altamente acomodatícias" geraram um crescimento apenas modesto face aos impedimentos estruturais remanescentes.

Em 2015, as baixas taxas de juro, a debilidade do euro e os baixos preços do petróleo permitiram que o crescimento chegasse a 1,5%. O PIB deve crescer apenas 1,4% neste ano e moderar-se, recuando para 1,2% no médio prazo, previu na informação divulgada na ocasião.

Ao que parece, "Portugal não alcançou a meta do défice orçamental de 2015", informou o comunicado de março. O corpo técnico estima um défice de 4,4% do PIB para o ano inteiro, em comparação com a meta do orçamento de 2,7%.

No entanto, os diretores executivos louvaram a "bem-sucedida estabilização" da economia portuguesa no âmbito do programa apoiado pelo Fundo, que abriu caminho para a recuperação em curso e para uma queda no desemprego.

No final de março, os diretores do FMI observaram que, embora o sistema bancário de Portugal tenha evoluído, mais esforços eram necessários para fortalecer os balanços dos bancos.

O relatório já realçava que o avanço continuado nas reformas estruturais seria "crucial para reforçar as perspetivas de crescimento no médio prazo, o emprego e o rendimento".

A última consulta a Portugal ao abrigo do Artigo IV foi divulgada em maio de 2015 quando o Conselho de Administração do Fundo louvou as autoridades portuguesas pelas conquistas alcançadas ao longo dos últimos anos "em termos de melhoria do saldo orçamental e da balança corrente, preservação da estabilidade financeira e reconquista do acesso aos mercados".

Na ocasião, louvaram também a decisão das autoridades de antecipar o reembolso do empréstimo do FMI.

Observaram, porém, que a recuperação em curso é ainda "demasiado modesta para reconduzir o produto e o emprego aos níveis anteriores à crise no futuro próximo" e ressaltaram que a prioridade mais importante para Portugal continuava a ser "restaurar o equilíbrio interno sem enfraquecer a posição externa do país".

Lusa

  • Tudo isto circula na internet. Nada disto é verdade
    3:12
  • Peso dos salários na economia diminuiu
    2:34

    Economia

    Portugal é dos países onde o peso dos salários na economia mais diminuiu. Ou seja, os salários portugueses foram dos mais encolheram com a crise. A conclusão é da Organização Internacional do Trabalho que sublinha as implicações negativas ao nível social e económico.

  • Presidente do Montepio tranquiliza clientes do banco
    1:58

    Economia

    O presidente do Montepio garante que os clientes do banco podem estar seguros e reafirma que a instituição não tem qualquer exposição à Associação Mutualista. No programa da SIC Notícias Negócios da Semana, José Félix Morgado assumiu que é preciso separar ainda mais as duas instituições.

  • Inaugurado Ikea de Loulé
    3:51

    Economia

    Centenas de pessoas aguardavam à porta do Ikea de Loulé para a inauguração da nova loja no Algarve, uma semana depois do acidente que matou uma trabalhadora. A cerimónia decorreu de forma sóbria, ainda que com alguma pompa e circunstância.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.