sicnot

Perfil

Economia

Credores reclamam mais de sete mil milhões de euros a empresas do GES

O valor reclamado pelos credores às empresas Espírito Santo International e Rio Forte, do Grupo Espírito Santo (GES), era de 7,3 mil milhões de euros no final de abril, segundo o relatório dos curadores das insolvências destas sociedades.

O objetivo das audições é permitir aos antigos administradores, entre eles Ricardo Salgado e Morais Pires, que expliquem o grau de responsabilidade que tinham antes da revelação do buraco nas contas do BES, a 30 de julho, e da resolução logo a seguir. (Arquivo)

O objetivo das audições é permitir aos antigos administradores, entre eles Ricardo Salgado e Morais Pires, que expliquem o grau de responsabilidade que tinham antes da revelação do buraco nas contas do BES, a 30 de julho, e da resolução logo a seguir. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

De acordo com o documento público, datado de 18 de maio, até 30 de abril de 2016 foram apresentadas 1.100 declarações a reclamar créditos da Espírito Santo International, no montante total de 4,3 milhões de euros.

No caso da Rio Forte, o valor reclamado até final do mês passado é de 3 milhões de euros, correspondente a 1.300 declarações apresentadas.

No total, são reclamados 7,3 milhões de euros e o valor ainda poderá aumentar, uma vez que os credores ainda podem apresentar declarações até outubro.

Lusa

  • Revelada transferência através do saco azul do GES para uma conta de Zeinal Bava

    Panama Papers

    Na investigação jornalística dos Panama Papers há uma transferência através do chamado saco azul do GES para uma conta de Zeinal Bava. O jornal Expresso revela, este sábado, que pela Espírito Santo Entreprises passaram 18 milhões e meio de euros para uma conta que o ex-presidente executivo da PT tinha no estrangeiro. Bava confirmou ao Expresso a operação bancária, efetuada em 2012, mas disse que o dinheiro se destinava a comprar ações da PT.

  • Saco azul do GES serviu para efetuar pagamentos ocultos durante 20 anos
    3:00

    Panama Papers

    O Jornal Expresso, que investiga o caso "Panama Papers", noticia hoje que o saco azul do Grupo Espírito Santo serviu para efetuar pagamentos ocultos durante mais de 20 anos. O dinheiro estava num paraíso fiscal e serviu mais de 100 pessoas. Os nomes não são conhecidos, mas o Expresso avança que a lista está na posse do Ministério Público e que inclui vários políticos.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02