sicnot

Perfil

Economia

Comissário europeu defende flexibilidade com défice português, mas admite multas

O comissário europeu da Economia defendeu hoje que Bruxelas deve dar mostras de flexibilidade em relação a Portugal e a Espanha, apesar do incumprimento do défice, mas advertiu que a possibilidade de sanções continua em cima da mesa.

© Nigel Treblin / Reuters

Em entrevista ao semanário alemão Der Spiegel, Günther Oettinger, o comissário da Economia e Sociedades Digitais afirmou que nos casos de Portugal e de Espanha a Comissão Europeia vê "sinais de esperança", apesar de "os objetivos claramente não terem sido cumpridos".

"A questão do cumprimento dos critérios do pacto de estabilidade e crescimento é puramente matemática", mas as conclusões a retirar em caso de incumprimento "também devem ser avaliadas politicamente", disse.

No caso espanhol, precisou, "o país precisa de uma vez por todas de um governo operacional" e, após as eleições de junho, a Comissão "voltará a avaliar os números e extrairá as suas conclusões".

"Não queremos influenciar a campanha eleitoral. Mas as sanções continuam sobre a mesa. Espero que a Comissão volte a abordar este tema em julho", disse.

Oettinger considerou por outro lado que França, a quem foi dada por mais do que uma vez margem para corrigir o défice, é o "teste decisivo" para a credibilidade do pacto de estabilidade.

"Estou seguro de que o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker está ciente da responsabilidade da Comissão", que "se comprometeu a que todos os países europeus cumpram os critérios de estabilidade até 2019", disse o comissário.

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC