sicnot

Perfil

Economia

Novo Banco avança com o despedimento coletivo de 69 trabalhadores

O Novo Banco vai avançar com o despedimento coletivo de 56 trabalhadores do banco e de mais 13 funcionários de empresas do grupo, disse à Lusa fonte da Comissão de Trabalhadores da instituição financeira.

© Rafael Marchante / Reuters

A administração do Novo Banco reuniu-se hoje à tarde com a Comissão de Trabalhadores, tendo nessa reunião sido comunicada a informação de que os funcionários abrangidos pelo despedimento coletivo serão 56 do banco e mais 13 de empresas do grupo, como a seguradora GNB Vida.

No âmbito reestruturação acordada entre as autoridades portuguesas e a Comissão Europeia, o Novo Banco -- o banco de transição criado em agosto de 2014 na sequência da resolução do BES -- acordou reduzir em 1.000 pessoas o número de efetivos até final de 2016 e cortar 150 milhões de euros em custos operativos.

No entanto, como parte significativa dos trabalhadores já tinha saído, nomeadamente através de um programa de reformas antecipadas, e a venda de unidades no estrangeiro implicará também a redução de pessoal, no início do ano o número falado de saída de trabalhadores era de cerca de 500, tendo então o banco aberto um processo de rescisão amigáveis.

A Lusa contactou hoje o Novo Banco, mas fonte oficial escusou-se a fazer comentários.

Lusa

  • Ministra tem condições para ficar?
    1:57
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • Os testemunhos emocionados de quem perdeu quase tudo nos fogos
    2:10
  • A primeira moção de censura ao fim de quase dois anos
    1:42

    País

    O CDS-PP avançou com uma moção de censura ao Governo, perante o que chama de falha do Governo na proteção das pessoas. O PSD apoia a iniciativa. António Costa fala num ato natural da democracia. Esta é a primeira moção de censura que o Governo socialista enfrenta ao fim de quase dois anos de mandato.

  • "Agora é tempo de decidir e executar"
    1:27

    País

    O primeiro-ministro reuniu-se esta terça-feira com os autarcas das zonas mais afetadas pelos incêndios e visitou os feridos, que continuam internados no Hospital de Coimbra. António Costa diz que o tempo das respostas começa agora.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.