sicnot

Perfil

Economia

Coca-Cola paralisa produção na Venezuela por falta de açúcar

A empresa que produz a Coca-Cola na Venezuela informou que se esgotaram os stocks de açúcar refinado para uso industrial, levando-a a interromper temporariamente a produção de refrigerantes que contêm esse ingrediente.

© Stefan Wermuth / Reuters

"A falta de açúcar implica a interrupção temporária das linhas de bebidas elaboradas com esta matéria-prima, pelo que se mantém em operação as linhas de produtos sem açúcar, tais como água e coca-cola light", refere o comunicado difundido na segunda-feira.

Na mesma nota, a empresa refere ter sido informada de que "a curto prazo está prevista a recuperação dos stocks de açúcar no país".

A empresa mexicana Coca-Cola Femsa está na Venezuela desde 2003, altura em que comprou a produtora de bebidas Panamerican Beverages, Inc (Panamco) e tem ainda presença noutros países da região como a Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, México e Panamá.

Na Venezuela tem fábricas em várias cidades e emprega mais de 7.000 trabalhadores.

A Venezuela passa atualmente por uma grave crise de escassez e falta de fornecimento de produtos básicos.

São cada vez mais frequentes as queixas de venezuelanos, cidadãos e fabricantes sobre dificuldades para conseguir, no mercado local, alguns produtos como o açúcar, o leite, a farinha, o arroz, a massa, a margarina, o café, entre outros.

Os empresários queixam-se também de dificuldades no acesso a divisas para efetuar as importações, na sequência do férreo sistema de controlo cambial que vigora desde 2003 no país.

O sistema de controlo cambial impede a livre obtenção local de moeda estrangeira e obriga os importadores a recorrerem às autoridades para obterem as respetivas autorizações para aceder aos dólares necessários para importar, um processo que dizem ser também demorado.

Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.