sicnot

Perfil

Economia

Coca-Cola paralisa produção na Venezuela por falta de açúcar

A empresa que produz a Coca-Cola na Venezuela informou que se esgotaram os stocks de açúcar refinado para uso industrial, levando-a a interromper temporariamente a produção de refrigerantes que contêm esse ingrediente.

© Stefan Wermuth / Reuters

"A falta de açúcar implica a interrupção temporária das linhas de bebidas elaboradas com esta matéria-prima, pelo que se mantém em operação as linhas de produtos sem açúcar, tais como água e coca-cola light", refere o comunicado difundido na segunda-feira.

Na mesma nota, a empresa refere ter sido informada de que "a curto prazo está prevista a recuperação dos stocks de açúcar no país".

A empresa mexicana Coca-Cola Femsa está na Venezuela desde 2003, altura em que comprou a produtora de bebidas Panamerican Beverages, Inc (Panamco) e tem ainda presença noutros países da região como a Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, México e Panamá.

Na Venezuela tem fábricas em várias cidades e emprega mais de 7.000 trabalhadores.

A Venezuela passa atualmente por uma grave crise de escassez e falta de fornecimento de produtos básicos.

São cada vez mais frequentes as queixas de venezuelanos, cidadãos e fabricantes sobre dificuldades para conseguir, no mercado local, alguns produtos como o açúcar, o leite, a farinha, o arroz, a massa, a margarina, o café, entre outros.

Os empresários queixam-se também de dificuldades no acesso a divisas para efetuar as importações, na sequência do férreo sistema de controlo cambial que vigora desde 2003 no país.

O sistema de controlo cambial impede a livre obtenção local de moeda estrangeira e obriga os importadores a recorrerem às autoridades para obterem as respetivas autorizações para aceder aos dólares necessários para importar, um processo que dizem ser também demorado.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.