sicnot

Perfil

Economia

Moody's antecipa défice de 3% este ano, Governo aponta para 2,2%

A agência de notação financeira Moody's alertou hoje para os riscos que "a debilidade" da banca nacional coloca a Portugal e reafirmou que o défice se deverá fixar nos 3,0%, acima das previsões governamentais de 2,2%.

© Brendan McDermid / Reuters

Numa nota sobre a qualidade de crédito de Portugal, a agência de 'rating' refere que, nos últimos anos, o desempenho orçamental do país tem sido afetado de forma negativa pela necessidade do Estado injetar capital em vários bancos e salienta que o Governo pode ter de voltar a capitalizar o banco estatal (Caixa Geral de Depósitos) este ano.

"A constante debilidade da banca continua a ser um risco para a notação de crédito de Portugal", indica a Moody's.

A agência de 'rating' [notação] reitera igualmente as preocupações quanto à evolução das finanças públicas, prevendo um défice de 3,0% do Produto Interno Bruto (PIB), superior à meta do Governo (2,2%), já que as perspetivas de crescimento são também inferiores, tal como tinha indicado em fevereiro.

"A Moody's considera que este desvio deve ser contido, dado o intenso escrutínio dos progressos orçamentais de Portugal por parte da Comissão Europeia e as exigências de medidas adicionais, caso a execução orçamental aponte para um desvio este ano", adianta a empresa.

Por outro lado, "o elevado rácio da dívida, tanto pública como privada, constitui um travão para as perspetivas de crescimento e o 'rating' da dívida soberana".

Apesar de ter estabilizado, a dívida pública portuguesa (129% do PIB) mantém-se entre as mais elevadas analisadas pela Moody's.

A agência espera "uma redução muito gradual nos próximos anos", mas nota que esta trajetória descendente é vulnerável a derrapagens orçamentais ou baixo crescimento económico.

Lusa

  • Marcelo adverte contra "permanente agitação dos analistas"
    0:49

    Economia

    Questionado sobre a análise da agência de notação financeira Moody´s, hoje divulgada, segundo a qual o défice se deverá fixar nos 3,0%, acima das previsões governamentais de 2,2%, Marcelo Rebelo de Sousa diz que a agitação dos analistas e a especulação são prejudiciais para a estabilidade dos mercados.

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.