sicnot

Perfil

Economia

CGTP solidária com a luta dos estivadores do Porto de Lisboa

A CGTP manifestou hoje a sua solidariedade aos estivadores do Porto de Lisboa na defesa da contratação coletiva, sublinhando o apoio às lutas destes para defenderem os seus postos de trabalho e os seus direitos laborais.

STEVEN GOVERNO

"A CGTP-IN manifesta a sua solidariedade à luta dos trabalhadores estivadores do Porto de Lisboa, pela defesa da contratação coletiva, contra a precariedade, a prepotência e a arrogância patronal", refere o sindicato, em comunicado hoje divulgado.

No documento, a CGTP-IN refere que a luta dos estivadores ganha "maior relevância" após o anúncio de "um suposto despedimento coletivo, que é ilegal e uma violação grosseira da Lei da Greve, perpetrada pelo patronato, com o apoio da PSP".

De acordo com o comunicado, assinado pelo secretário-geral da central, Arménio Carlos, os problemas laborais "não se resolvem com o recurso à mentira, ao terrorismo psicológico e à generalização da precariedade e dos baixos salários", situação que o sindicalista acusa que tem sido uma prática.

"O patronato utiliza o diálogo como uma manobra de diversão e a negociação como um instrumento de imposição de normas que desvalorizam o trabalho e põem em causa a dignidade dos trabalhadores", refere.

Para Arménio Carlos são "inadmissíveis todas as atitudes patronais que visem a redução brutal dos rendimentos e direitos dos trabalhadores, para assegurar o aumento da exploração e, com ela, a acumulação de lucros".

Na terça-feira, cerca de 40 estivadores estiveram concentrados durante perto de nove horas na entrada do Porto de Lisboa, entre as 09:00 e as 18:00, depois de a PSP ter enviado uma equipa de várias dezenas de elementos para o local, para acompanhar a saída de contentores retidos há cerca de um mês naquele local, quando os estivadores começaram a greve.

Os operadores do Porto de Lisboa vão avançar com um despedimento coletivo por redução da atividade, uma proposta de acordo de paz social, que foi recusada. As versões do sindicato e dos operadores e Governo não coincidem, sobretudo na questão da Porlis (empresa de trabalho portuário cuja extinção era uma das reivindicações dos sindicatos).

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, disse, entretanto, que os operadores propuseram suspender os trabalhos da Porlis, mas o documento previa apenas que os operadores se comprometessem a "encontrar uma solução relativamente" ao futuro da empresa de trabalho portuário.

Na terça-feira, o presidente do Sindicato dos Estivadores, António Mariano classificou de "terrorismo psicológico" e "atentado ao Estado de direito" o anúncio de um despedimento coletivo e a presença da PSP no Porto de Lisboa, para acompanhar retirada de contentores retidos.

Contudo, António Mariano disse que os trabalhadores estão dispostos a chegar a um entendimento, caso a empresa criada paralelamente for encerrada e se forem resolvidas duas situações do contrato coletivo de trabalho.

A última fase de sucessivos períodos de greve, que se iniciou há três anos e meio, arrancou a 20 de abril com os estivadores do Porto de Lisboa em greve a todo o trabalho suplementar em qualquer navio ou terminal, isto é, recusam trabalhar além do turno, aos fins de semana e dias feriados.

De acordo com o último pré-aviso, a greve vai prolongar-se até 16 de junho.

Também a União do Sindicatos da Madeira (USAM) se mostrou solidária com a luta dos estivadores do Porto de Lisboa, subscrevendo o comunicado da CGTP-IN.

Lusa

  • Estivadores reúnem-se esta manhã em plenário no Porto de Lisboa
    5:34

    Economia

    O corpo de Intervenção da PSP está, pelo segundo dia, a garantir a segurança no Porto de Lisboa, na zona de Santa Apolónia, onde os estivadores se reúnem esta manhã em plenário. A greve no Porto de Lisboa está a causar um prejuízo diário de 100 mil euros e a nova administração tem como mandato retomar a sua viabilidade com o que estiver ao seu alcance, considerou a ministra do Mar.

  • "Não está nas nossas mãos eliminar esta greve"
    3:10

    País

    Vítor Fraga diz que não está nas mãos do Governo Regional dos Açores terminar com a greve dos estivadores e que a situação tem vindo a ser acompanhada para que seja evitada a ruptura dos bens essenciais. O secretário Regional do Turismo e Transportes dos Açores referiu, na Edição da Noite da SIC Notícias, que decretar a requisição civil caberá sempre ao Governo da República e apenas havendo o incumprimento dos serviços mínimos que, neste caso, diz estarem a ser cumpridos.

  • Sindicato dos estivadores diz que proposta de despedimento coletivo visa criar "terror psicológico"
    3:24

    Economia

    Depois de vários períodos de greve ao longo de quatro anos, os estivadores do Porto de Lisboa continuam em luta. Desta vez, a greve vai prolongar-se até dia 16 de junho. António Mariano, do sindicato dos estivadores, diz que os trabalhadores estão dispostos a negociar mas que recusam o despedimento coletivo. Depois de recusarem esta proposta, os trabalhadores enviaram uma contra-proposta, que exigia o pagamento dos salários em atraso, que acabou por não ter qualquer resposta por parte dos empregadores. António Mariano considera que os despedimentos coletivos e o uso das forças de segurança visam criar "terror psicológico".

  • Greve dos estivadores causa prejuízos em todos os setores das ilhas
    2:19

    Economia

    Nas regiões autónomas, a greve dos estivadores está a causar prejuízos em todos os setores. A Força Aérea já respondeu a um pedido de ajuda do Governo da Madeira e transportou medicamentos para a ilha. Há produtos frescos a chegar às ilhas perto do fim da validade. Na construção civil, há obras paradas por falta de material. A ministra do Mar reforça que, apesar dos esforços, os serviços mínimos não servem para dar resposta a greves prolongadas.

  • Momentos de tensão marcam protestos dos estivadores do Porto de Lisboa
    3:05

    Economia

    Dezenas de estivadores concentraram-se, ao longo do dia, na entrada do Porto de Lisboa. Houve alguns momentos de tensão, sobretudo quando não conseguiram impedir a entrada de alguns camiões. O Governo diz compreender as razões para o despedimento coletivo,uma posição que choca com as dos partidos que o apoiam no parlamento. BE e PCP dão razão aos estivadores e pressionam o governo a intervir.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.