sicnot

Perfil

Economia

Controladores aéreos franceses convocam greve de três dias

Os sindicatos dos controladores aéreos franceses anunciaram a convocação de uma greve para os dias 3, 4 e 5 de junho para pressionar a negociação do seu acordo coletivo de trabalho, indicou a Direção-Geral da Aviação Civil (DGAC).

© Jacky Naegelen / Reuters

Os representantes dos controladores querem desta vez protestar em particular contra a redução de efetivos que se tem verificado desde há cerca de 10 anos, o que, em seu entender, impede que desempenhem as funções com todas as garantias, explicou em comunicado a união sindical USAC-CGT.

O principal sindicato dos controladores aéreos considerou "intolerável" essa redução de pessoal por não permitir "garantir a defesa das condições de emprego dos agentes e a manutenção de um serviço público de alto nível".

Um porta-voz da DGAC disse à agência Efe que no próximo dia 31 haverá uma reunião técnica sobre o acordo coletivo para o período 2016-2018 e que só depois se poderá confirmar se a greve terá lugar e o seu impacto no tráfego aéreo.

Para quinta-feira, dia 26, está marcada uma outra greve, neste caso contra a reforma laboral do Governo francês, como aconteceu na quinta-feira passada.

A DGAC pediu às companhias aéreas para reduzirem em 15% os voos para o aeroporto de Orly, em Paris, e indicou que são esperadas perturbações no resto do país.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.