sicnot

Perfil

Economia

Greve dos estivadores "tem que se resolver com diálogo e trabalho", diz ministro

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse hoje no parlamento que a situação da greve dos estivadores do Porto de Lisboa tem que se resolver "com diálogo e com trabalho".

LUSA

"É uma situação que tem que se resolver com diálogo, com trabalho e isso é o que se está a fazer", disse o ministro da Economia aos deputados no âmbito da sua audição ao abrigo do Regimento da Assembleia da República na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, onde está a ser ouvido.

Caldeira Cabral afirmou que o Governo está envolvido e a tentar encontrar uma solução.

"A questão do Porto de Lisboa obviamente que é uma questão que me preocupa, as greves no Porto de Lisboa já duram há quatro anos, houve períodos de greve bem mais prolongados do que o atual e a situação não se resolveu", afirmou.

O ministro da Economia frisou que "não há soluções fáceis" e questionou: "E se as há e são tão fáceis e tão diretas, então porque não se resolveram nos últimos quatro anos".

Os operadores do Porto de Lisboa anunciaram na segunda-feira que vão avançar com um despedimento coletivo por redução da atividade, depois de uma proposta de acordo de paz social que foi recusada. As versões do sindicato, dos operadores e Governo não coincidem, sobretudo na questão da Porlis (empresa de trabalho portuário cuja extinção era uma das reivindicações dos sindicatos).

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, diz que os operadores propuseram suspender os trabalhos da Porlis, mas o documento previa apenas que os operadores se comprometessem a "encontrar uma solução relativamente" ao futuro da empresa de trabalho portuário.

Na terça-feira, o presidente do Sindicato dos Estivadores, António Mariano classificou de "terrorismo psicológico" e "atentado ao Estado de direito" o anúncio de um despedimento coletivo e a presença da PSP no Porto de Lisboa, para acompanhar retirada de contentores retidos.

Contudo, António Mariano disse que os trabalhadores estão dispostos a chegar a um entendimento, caso a empresa criada paralelamente for encerrada e se forem resolvidas duas situações do contrato coletivo de trabalho.

A última fase de sucessivos períodos de greve, que se iniciou há três anos e meio, arrancou a 20 de abril com os estivadores do Porto de Lisboa em greve a todo o trabalho suplementar em qualquer navio ou terminal, isto é, recusam trabalhar além do turno, aos fins de semana e dias feriados.

A paralisação tem sido prolongada através de sucessivos pré-avisos devido à falta de entendimento entre estivadores e operadores portuários sobre o novo contrato coletivo de trabalho. De acordo com o último pré-aviso, a greve vai prolongar-se até 16 de junho.

Lusa

  • Estivadores reúnem-se esta manhã em plenário no Porto de Lisboa
    5:34

    Economia

    O corpo de Intervenção da PSP está, pelo segundo dia, a garantir a segurança no Porto de Lisboa, na zona de Santa Apolónia, onde os estivadores se reúnem esta manhã em plenário. A greve no Porto de Lisboa está a causar um prejuízo diário de 100 mil euros e a nova administração tem como mandato retomar a sua viabilidade com o que estiver ao seu alcance, considerou a ministra do Mar.

  • "Não está nas nossas mãos eliminar esta greve"
    3:10

    País

    Vítor Fraga diz que não está nas mãos do Governo Regional dos Açores terminar com a greve dos estivadores e que a situação tem vindo a ser acompanhada para que seja evitada a ruptura dos bens essenciais. O secretário Regional do Turismo e Transportes dos Açores referiu, na Edição da Noite da SIC Notícias, que decretar a requisição civil caberá sempre ao Governo da República e apenas havendo o incumprimento dos serviços mínimos que, neste caso, diz estarem a ser cumpridos.

  • Sindicato dos estivadores diz que proposta de despedimento coletivo visa criar "terror psicológico"
    3:24

    Economia

    Depois de vários períodos de greve ao longo de quatro anos, os estivadores do Porto de Lisboa continuam em luta. Desta vez, a greve vai prolongar-se até dia 16 de junho. António Mariano, do sindicato dos estivadores, diz que os trabalhadores estão dispostos a negociar mas que recusam o despedimento coletivo. Depois de recusarem esta proposta, os trabalhadores enviaram uma contra-proposta, que exigia o pagamento dos salários em atraso, que acabou por não ter qualquer resposta por parte dos empregadores. António Mariano considera que os despedimentos coletivos e o uso das forças de segurança visam criar "terror psicológico".

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.