sicnot

Perfil

Economia

Banco Popular aumenta capital em 2.500 M€ para fortalecer balanço

O Banco Popular vai fazer um aumento de capital no valor de 2.500 milhões de euros com o objetivo de fortalecer o balanço, melhorar os rácios de rentabilidade, os níveis de solvência e a qualidade dos ativos.

© Rafael Marchante / Reuters

O banco explica, em comunicado divulgado hoje no regulador do mercado espanhol, a CNMV, que com os recursos obtidos nesta operação, assegurada pela UBS e Goldman Sachs, pretende reforçar o modelo de negócio comercial e particulares.

Esta injeção de capital porá em circulação cerca de 2.000 milhões de novas ações a um preço de 1,25 euros (0,50 euros de valor nominal e 0,75 euros de prémio de emissão), segundo a Efe.

"A transação reforçará (...) a rentabilidade do negócio principal do banco e reduzirá o custo do risco esperado para os próximos anos", afirma o Banco Popular, que também espera com esta operação acelerar a estratégia de redução do negócio imobiliário.

Em 11 de abril, o Banco Popular espanhol anunciou ter aprovado, a dia 04 do mês passado, um aumento de capital de 37 milhões de euros para um total de 513 milhões de euros no Banco Popular Portugal.

"O aumento de capital tem por base a emissão de 37.000.000 de novas ações, ordinárias, cada uma com o valor nominal de 1,00 euro a subscrever e realizar integralmente pelo acionista único Banco Popular Espanhol, mediante a entrega de 2.495.631 ações com o valor nominal global de 5,00 euros cada detidas pelo Banco Popular Espanhol, no capital social da sociedade Popular Factoring", lia-se no comunicado divulgado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"Com esta operação, a participação qualificada na sociedade Popular Factoring na titularidade do Banco Popular Espanhol será integralmente transmitida para o Banco Popular Portugal", assinalou o banco.

Refira-se que o resultado líquido do Banco Popular Portugal cresceu 484,5% para 13,3 milhões de euros em 2015, um valor que compara com o lucro de 2,3 milhões de euros em 2014.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.