sicnot

Perfil

Economia

Governo pode propor dias de férias a quem não passar às 35 horas

O Governo está a ponderar propor dias de férias a quem não passar já às 35 horas semanais de trabalho. De acordo com o Diário de Notícias, a reposição das 35 horas na função pública está dependente de medidas de compensação que poderão ser encontradas para satisfazer aqueles que não tenham o horário reduzido quando a lei entrar em vigor.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA

O PS tem garantido que as 35 horas avançam a 1 de julho, mas há setores onde isso não deve acontecer, como na saúde, onde é crítico o número de enfermeiros.

Ontem, em sede de comissão parlamentar, a votação da proposta foi adiada por unanimidade para a próxima semana, depois de ainda não ter sido fechado à esquerda e com os sindicatos o texto a levar a votos.

  • 35 horas para ganhar... eleições

    Anselmo Crespo

    Tenho dias em que trabalho 16 horas. E tenho outros em que não trabalho as 7 a que estou obrigado por contrato. Depende. Depende do trabalho, do dia, depende da forma como preciso de conciliar trabalho com vida pessoal. As notícias não têm hora marcada e quem escolheu esta profissão não veio ao engano. Na minha empresa há flexibilidade e há trabalhadores flexíveis. Há sensibilidade e bom senso. De quem manda e de quem obedece. É por isso que tenho semanas de fazer 35 horas em apenas três dias. E tenho outras em que faço 40... em quatro. E sim, ao quinto dia, normalmente também trabalho.

  • "Miúdos de 5 e 6 anos a perguntar: a minha casa ardeu, o meu pai está queimado?"
    4:55
  • Presidente visita zonas afetadas pelos fogos
    2:00

    País

    Numa visita inesperada, o Presidente da República esteve esta manhã em Vouzela, um dos concelhos mais atingidos pelos incêndios. Marcelo Rebelo de Sousa vai estar nos próximos dias no distrito de Viseu.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.