sicnot

Perfil

Economia

PR classifica de "injustiça" eventuais sanções a Portugal e vai explicar isso a Berlim

O Presidente da República considerou hoje que será uma "injustiça" a aplicação de eventuais sanções a Portugal por causa do ano de 2015 e assegurou que vai explicar as razões em Berlim no próximo fim de semana.

© Hugo Correia / Reuters

"Eu acho que há um tema fundamental para tratar em Berlim e esse tema fundamental é o tema das sanções. Eu penso que é uma injustiça estar a aplicar sanções a Portugal por causa do ano de 2015 e vou explicar isso. Há razões para isso, não é uma razão sentimental ou emotiva", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa no final de uma visita à feira de arte ARCO, em Lisboa.

O Presidente da República inicia no próximo fim de semana uma visita oficial de dois dias, a Berlim, na Alemanha.

Marcelo Rebelo de Sousa enumerou os motivos pelos quais considera injusto a aplicação de eventuais sanções a Portugal e sublinhou que a Alemanha tem um papel essencial nesta matéria.

"Primeiro, Portugal fez tudo o que devia ser feito, em segundo lugar, as divergências são de contabilização -- 0,4% -, terceiro, acontece que nunca foram aplicadas as sanções, quarto, sucede que isso é um sinal de falta de compreensão e de solidariedade em relação aos sacrifícios do povo português, quinto, não é um estímulo para 2016 e para o esforço que é preciso continuar a fazer no plano orçamental", explicitou o Presidente da República.

E acrescentou: "Por todas estas razões, entre outras, penso que Berlim, a Alemanha, que tem muita influência na altura devida, deve jogar com toda essa influência para não aplicar sanções, nem a Portugal, nem a Espanha".

Já esta manhã, a Comissão Europeia manifestou-se pouco preocupada com alegadas oposições no Conselho (Estados-membros) à sua decisão de adiar eventuais sanções a Portugal e Espanha no quadro do défice excessivo, considerando que tem fundamentos legais para o fazer.

Um dia depois das alegadas críticas do ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, à decisão do executivo, durante uma sessão informal na reunião do Ecofin realizada na quarta-feira, a porta-voz da Comissão para os Assuntos Económicos, Annika Breidthardt, sublinhou hoje que os serviços jurídicos da Comissão consideraram que o adiamento de uma decisão sobre os Procedimentos por Défice Excessivo (PDE) tinha toda a legitimidade e validade legal.

Na quarta-feira, o presidente do Eurogrupo e o vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Euro admitiram, em Bruxelas, que há "algumas preocupações" entre certos Estados-membros relativamente ao adiamento de sanções a Espanha e Portugal devido ao défice excessivo.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.