sicnot

Perfil

Economia

Novo Banco com prejuízo de 249,4 M€ no 1º trimestre

O Novo Banco teve um prejuízo de 249,4 milhões de euros no primeiro trimestre, valor que compara com os 117,8 milhões de euros de prejuízo registados no período homólogo, hoje hoje divulgado.

(SIC/ ARQUIVO)

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Novo Banco diz que o resultado líquido foi influenciado negativamente pela "provisão para custos de reestruturação e pelo registo da totalidade do valor anual relativo à Contribuição Sobre o Setor Bancário".

Pela positiva, o banco destaca a não mensualização do custo da contribuição para o Fundo de Resolução Nacional.

"Sem estes efeitos, o resultado do trimestre seria negativo em 140,1 milhões de euros", refere.

O resultado operacional foi de 78,9 milhões de euros, um aumento de 152,1% em relação à media trimestral de 2015, representando 63% "do valor alcançado em todo o exercício de 2015 (125 milhões de euros)", sinaliza a instituição liderada por Eduardo Stock da Cunha.

O produto bancário comercial situou-se em 210,9 milhões de euros, "com o resultado financeiro a evidenciar um crescimento de 24,9% face à média trimestral de 2015, confirmando o contributo crescente deste agregado para a melhoria das receitas", acrescenta.

Os resultados de operações financeiras foram positivos em 27,3 milhões de euros.

Os custos operativos, no montante de 155,2 milhões de euros, segundo o Novo Banco, evidenciam uma forte diminuição de 17,8% face à média trimestral de 2015, "refletindo o esforço de redução de custos empreendido pelo grupo através, nomeadamente, da simplificação e melhoria de processos e da otimização da estrutura operativa e comercial".

As provisões totalizaram os 348,2 milhões de euros e incluem uma provisão para custos com o processo de reestruturação em curso, no valor de 109,6 milhões de euros.

Os depósitos de clientes particulares, segundo o banco, continuaram a aumentar neste primeiro trimestre de 2016 (44 milhões de euros), "sinal do reforço da confiança no grupo (não obstante a descida para níveis historicamente baixos das poupanças das famílias)", mantendo-se no nível mais elevado desde a criação do Novo Banco (18,1 mil milhões de euros), em agosto de 2014.

Os depósitos de grandes clientes, por sua vez, recuaram em 2,2 mil milhões, sendo parte explicada pela transferência do BES Vénetie e do NB Ásia para ativos em descontinuação, o que "tornou a oferta neste segmento menos competitiva" e pelas repercussões da retransmissão de cinco emissões seniores para o perímetro do BES.

O rácio de crédito vencido há mais de 90 dias/crédito total foi de 15,1%, com o respetivo rácio de cobertura por provisões a situar-se em 110,8%, enquanto a cobertura do crédito a clientes por provisões era de 16,7%.

O crédito em risco representava 23% do total da carteira de crédito e a cobertura aumentou para 72,6%.

Os custos com pessoal totalizaram os 81,4 milhões de euros (-18,1% face à média trimestral de 2015), para o que contribuiu a redução, face a 31 de dezembro de 2014, de 433 colaboradores no Novo Banco e de 1.649 considerando a totalidade do grupo (dos quais 802 decorrentes da venda do BESI e 224 relativos a atividades em descontinuação).

Face a 04 de agosto de 2014, a redução do número de colaboradores foi de 1.814.

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.