sicnot

Perfil

Economia

Marcelo vai tentar sensibilizar Merkel para injustiça de sanções a Portugal

O Presidente da República realiza uma visita oficial a Berlim entre domingo e segunda-feira, tendo como principal objetivo sensibilizar as autoridades alemãs para a "injustiça" que representaria a aplicação de sanções a Portugal devido ao défice.

TIAGO PETINGA

O próprio chefe de Estado admitiu, na quinta-feira, que "há um tema fundamental para tratar em Berlim e esse tema fundamental é o tema das sanções", que voltou à agenda europeia e nacional após o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, ter alegadamente manifestado a sua oposição ao adiamento de sanções a Espanha e Portugal decidido pela Comissão Europeia, durante uma reunião dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), na passada quarta-feira em Bruxelas.

"Eu penso que é uma injustiça estar a aplicar sanções a Portugal por causa do ano de 2015 e vou explicar isso. Há razões para isso, não é uma razão sentimental ou emotiva", sustentou Marcelo Rebelo de Sousa, que tem previstos encontros, na segunda-feira, com a chanceler Angela Merkel e ainda com o Presidente da República Federal, Joachim Gauck, e com o presidente do Bundestag (parlamento federal), Norbert Lammert.

Nestes encontros, o Presidente da República irá então explicar as diversas razões pelas quais considera inapropriada a aplicação de sanções, tendo em conta que, como o próprio sublinhou, a Alemanha "tem muita influência na altura devida", e deve "jogar com toda essa influência para não aplicar sanções, nem a Portugal, nem a Espanha".

As razões que irá expor, enumerou, são Portugal ter feito "tudo o que devia ser feito", as divergências serem de contabilização, nunca antes terem sido aplicadas sanções no quadro do pacto de Estabilidade e Crescimento, tal representar "um sinal de falta de compreensão e de solidariedade em relação aos sacrifícios do povo português", e, por fim, não ser "um estímulo para 2016 e para o esforço que é preciso continuar a fazer no plano orçamental".

Além do tema das sanções, que dominará assim a deslocação do chefe de Estado a Berlim, Marcelo Rebelo de Sousa indicou que leva também uma segunda mensagem, a de que "o que tem a contar por parte do Presidente da República português é estabilidade política e governativa", que já levou ao Parlamento Europeu, durante a sua visita a Estrasburgo, em abril.

A visita a Berlim tem início no domingo com uma receção, ao início da noite, a representantes da comunidade portuguesa em Berlim, na residência do embaixador de Portugal na Alemanha.

Lusa

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.