sicnot

Perfil

Economia

Catroga diz que é fácil baixar o preço da eletricidade se o Governo "baixar os impostos"

O presidente do Conselho Geral de Supervisão da EDP, Eduardo Catroga, disse esta segunda-feira que metade dos custos da eletricidade para uso doméstico são "políticos", afirmando que é "muito fácil" baixar o preço, se o Governo "baixar os impostos".

Lusa

Lusa

JOSE SENA GOULAO

Portugal tinha no segundo semestre de 2015 a eletricidade e o gás para uso doméstico mais caros da União Europeia expressos em paridade de poder de compra padrão, divulgou na sexta-feira o gabinete de estatística europeu, o Eurostat.

"Cerca de 50% do preço da eletricidade são custos políticos. Portanto, é muito fácil baixar o preço da eletricidade, se baixarem os impostos", respondeu Eduardo Catroga, depois de questionado por um sindicalista sobre os números do Eurostat numa conferência promovida esta tarde pela UGT, em Lisboa.

O presidente do Conselho Geral de Supervisão da EDP disse ainda que na fatura da eletricidade estão "os custos das renováveis, as políticas sociais, o audiovisual, dos subsídios às regiões autónomas".

"Esses custos todos estão na fatura da eletricidade. Nos outros países esses custos não estão na fatura da eletricidade. Estão no orçamento", atirou o antigo ministro das Finanças.

Além disso, Catroga lembrou que "o segmento doméstico deixou de ser competitivo porque o anterior governo aumentou o IVA de 6% para 23%".

"Antes do IVA, temos os preços mais baixos, mesmo no segmento doméstico", terminou.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, em Portugal, a eletricidade custava, na segunda metade do ano passado, 29,3 paridades de poder de compra padrão (PPS - unidade monetária artificial que elimina as diferenças de níveis de preços entre os países) por 100 kWh (quilowatt hora) e o gás 12,6 PPS.

O preço médio da eletricidade subiu 2,4% no segundo semestre de 2015 face ao de 2014 para os 22,4 euros por 100 kWh, enquanto o do gás desceu 5,5%, para os 9,8 kWh.

Na UE, o preço médio da eletricidade subiu, em termos homólogos, 2,4% e na zona euro 1,3%, para os 21,1 e 22,1 euros por 100 kWh, respetivamente, enquanto o do gás recuou 1,7% na UE para os 7,1 euros e 3,4% na zona euro para os 7,6 euros por 100 kWh.

Além de Portugal (29,3 PPS por 100 kWh), na Alemanha (28,3), em Espanha e na Roménia (26,5 cada) a eletricidade para uso doméstico tinha os preços mais altos face aos de outros bens e serviços, enquanto a Finlândia (12,3 PPS por 100kWh), a Suécia (14,6), o Luxemburgo (14,7) e a França (15,2) apresentavam os preços mais baixos.

O peso das taxas e impostos no preço da eletricidade doméstica em Portugal é o terceiro maior da UE (50%), depois da Dinamarca (69%) e da Alemanha (52%), e acima da média europeia de 33%, enquanto no gás as taxas e impostos são 23%, em média com a UE.

Lusa

  • Os apelos de Marcelo para a reforma do Estado
    1:36

    País

    O Presidente da República lamentou este sábado que o consenso para uma reforma do Estado seja um sonho adiado. No enceramento do congresso "Portugal no Futuro", Marcelo Rebelo de Sousa apelou a entendimentos em áreas estratégicas e defendeu que é preciso passar as palavras à ação, o quanto antes.

    Débora Henriques

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52