sicnot

Perfil

Economia

Catroga diz que é fácil baixar o preço da eletricidade se o Governo "baixar os impostos"

O presidente do Conselho Geral de Supervisão da EDP, Eduardo Catroga, disse esta segunda-feira que metade dos custos da eletricidade para uso doméstico são "políticos", afirmando que é "muito fácil" baixar o preço, se o Governo "baixar os impostos".

Lusa

Lusa

JOSE SENA GOULAO

Portugal tinha no segundo semestre de 2015 a eletricidade e o gás para uso doméstico mais caros da União Europeia expressos em paridade de poder de compra padrão, divulgou na sexta-feira o gabinete de estatística europeu, o Eurostat.

"Cerca de 50% do preço da eletricidade são custos políticos. Portanto, é muito fácil baixar o preço da eletricidade, se baixarem os impostos", respondeu Eduardo Catroga, depois de questionado por um sindicalista sobre os números do Eurostat numa conferência promovida esta tarde pela UGT, em Lisboa.

O presidente do Conselho Geral de Supervisão da EDP disse ainda que na fatura da eletricidade estão "os custos das renováveis, as políticas sociais, o audiovisual, dos subsídios às regiões autónomas".

"Esses custos todos estão na fatura da eletricidade. Nos outros países esses custos não estão na fatura da eletricidade. Estão no orçamento", atirou o antigo ministro das Finanças.

Além disso, Catroga lembrou que "o segmento doméstico deixou de ser competitivo porque o anterior governo aumentou o IVA de 6% para 23%".

"Antes do IVA, temos os preços mais baixos, mesmo no segmento doméstico", terminou.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, em Portugal, a eletricidade custava, na segunda metade do ano passado, 29,3 paridades de poder de compra padrão (PPS - unidade monetária artificial que elimina as diferenças de níveis de preços entre os países) por 100 kWh (quilowatt hora) e o gás 12,6 PPS.

O preço médio da eletricidade subiu 2,4% no segundo semestre de 2015 face ao de 2014 para os 22,4 euros por 100 kWh, enquanto o do gás desceu 5,5%, para os 9,8 kWh.

Na UE, o preço médio da eletricidade subiu, em termos homólogos, 2,4% e na zona euro 1,3%, para os 21,1 e 22,1 euros por 100 kWh, respetivamente, enquanto o do gás recuou 1,7% na UE para os 7,1 euros e 3,4% na zona euro para os 7,6 euros por 100 kWh.

Além de Portugal (29,3 PPS por 100 kWh), na Alemanha (28,3), em Espanha e na Roménia (26,5 cada) a eletricidade para uso doméstico tinha os preços mais altos face aos de outros bens e serviços, enquanto a Finlândia (12,3 PPS por 100kWh), a Suécia (14,6), o Luxemburgo (14,7) e a França (15,2) apresentavam os preços mais baixos.

O peso das taxas e impostos no preço da eletricidade doméstica em Portugal é o terceiro maior da UE (50%), depois da Dinamarca (69%) e da Alemanha (52%), e acima da média europeia de 33%, enquanto no gás as taxas e impostos são 23%, em média com a UE.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.